sexta-feira, 26 de março de 2010

Padrão

Anteontem fui cuidar do meu cabelo. Andei bancando o Edward Mãos de Tesoura e passei a faca nas pontas quebradas, nos nós, em tudo o que via pela frente na minha cabeça. Foi um dia libertador!rs

Bem,mas como mal sei cortar as unhas do pé, meu momento cabelereira rendeu um resultado não muito agradável ao olhar. Pois bem, pedi um help para o meu amigo David, que é cabelereiro. Gente, eu estava temendo ir ao salão do David, porque vai que ele me deixa careca. Como é que iria olhar pra ele novamente?? rsrs Mas não corria esse risco porque David é bom profissional, todo estudioso e meu amigo acima de tudo. Nada como ter amigo cabelereiro!!

Enfim, os danos da minha tesoura assassina foram sanados e tenho exibido por aí um visual de garota sapeca, cheia de cachinhos escuros. Adorei o resultado. MAS não me aguento quando ouço um comentário como o da minha vó: " Pensei que vc tivesse dado um jeito no cabelo..." Onde está escrito " dado um jeito" leia-se " alisado".

Passei minha infância toda puxa-e - esticando o meu cabelo, que de tão fino, vivia arrebentando. Era henê, relaxamentos, alisantes, blá, bla´. E nunca ficava bom, nunca ficava "tratado" o suficiente. Por que será?

Meu cabelo é igual ao de milhões de mulheres do Brasil: crespo e fino. A diferença é que eu não aliso. Nadinha contra a quem alisa o seu cabelo ou pinta ou faz escova ou seja lá o que for. Eu só queria saber em que época poderei usar o meu cabelo do jeito que ele é, sem ser julgada ou considerada um ser alienígena. " Como assim não gosta de escova?" Não gosto, ué? Queima, puxa, não gosto. Direito meu.

A gente fica achando que os nossos tempos são melhores que as eras passadas. Que nada! Algumas coisas mudaram ,mas ainda não é dado ao indivíduo o direito sobre seu próprio corpo, sobre a sua vida. Nossa sociedade - logo todos nós- estabelece padrões aos quais temos de nos enquadrar e ponto: meu cabelo, meu corpo, meu desejo, minha fé,minha vontade ,minhas escolhas nunca são só meus. Todo mundo pode dar palpite.Valho mais ou menos conforme os contornos do meu corpo, a cor da minha pele, a quantidade de dinheiro no banco.Sempre houve - e provavelmente haverá - modelos a ser seguidos, modelos mais valorizados em detrimento de tudo mais que existe.

Meu cabelo , que é só meu e de mais ninguém, não é bonito ; é ruim , é duro, tem de ser domado. Aff! Me cansa às vezes , sabe! E o pior é isso: não me canso sempre. Na maior parte do tempo, vivo seguindo os padrões e nem reclamo.

Só de vez em quando , me dá uma canseira desse mundo onde não há escolhas, onde diversidade é crime, onde a textura e a forma dos pêlos que protegem o couro cabeludo determinam o quão adequado vc é.

Seria tão mais fácil se eu fosse bem normalzinha. Não que eu seja uma subversiva, ou ousada, ou revolucionária, ou mulher cheia de coragem que luta por seus direitos. Nada disso! Sou só uma mulher como qualquer outra, que de vez em quando tem uns lapsos e se lembra de que suas escolhas são um direito e não motivo de sofrimento, chacota ou exclusão.

Às vezes, ser gente é tão difícil...

4 comentários:

Fabiane Ariello disse...

Meu cabelo é muito fino e muito liso. Eu daria tudo por uns cachinhos... Se você está feliz com seu cabelo, vc é uma sortuda! Liberta esses cachos e curte a vida! :D

Débora Leite disse...

Poxa. Vai pros EUA e você vai ver como é tudebom ter cabelo como o nosso.
Depois que voltei de lá vim com uma auto estima altíssima. Todo mundo adorava meus cachinhos e eu sempre os adorei também! Liberte-se, baby!
DESPENTEIA! hahahaha

Lia disse...

Puxa... Ju sei bem o que é isso!

O Meu cabelo é crespooooooo... e fino, mt fino.. Já fiz tudo isso que vc falou ai em cima... pente quente... hene, rena... permanente, amaciamento,relaxamento... tudo e mais um pouco... ah claros, as tradicionais tranças....

Agora eu virei escrava do relaxamento, escova e chapinha... mas isso me cansa mt!!!

Masssssssss... chegará o dia... que vou ligar o "dane-se' e me libertar de tudo isso...

ps:1 Cara...que saudade o Edward mãos de tesoura...rs

Cíntia Mara disse...

Tô precisando cortar os cabelos também. Todo sábado eu penso isso, mas aí depois que termino a chapinha (naqueeeeele horário, hehe) e vejo eles longos e lisos no espelho, desisto. Não vou ao salão há uns dois anos, não tava gostando muito do que eu ia. Desde então, sempre que vejo muitas pontas duplas e quebradas, pego a tesoura mas próxima e resolvo o problema.

Engraçado que eu tenho um problema contrário ao seu. Não gosto do meu cabelo cacheado de jeito nenhum. Passei a infância de rabinho, anos e anos querendo ter franja e tendo que ouvir as pessoas perguntarem porque eu não soltava. E agora, que tenho condições pra mantê-lo lisinho, vem a Thaís Araujo na novela e começam a achar que eu devo deixá-los naturais. Pode vir a moda que for, não abro mão da chapinha e ponto! Relaxo sim, desde os 13 anos e não penso em parar tão cedo. E, pra completar, castanho escuro neles que eu não gosto de ter cabelo claro, rsrs.

Concordo com você, temos que lutar pelo direito de escolha. As opções estão aí para a diversidade e não pra igualar todo mundo.

Beijos