quinta-feira, 1 de abril de 2010

" Roberto é o Roberto"

A memória é uma coisa cheia de artimanhas,né? Especialmente, aquela memória que está permeada de afetos .Algumas das minhas mais antigas lembranças estão povoadas de músicas:

Minha vó ouvindo na vitrola o LP do Gonzagão. " Quando verde dos teus olhos/ espraiar na plantação". Ô , verso bonito , meu Deus! Ô, música bonita que é essa Asa Branca.

Minha vó cantarolando " Oh, quanto riso, ó!/ Quanta alegria/ São mais de mil palhaços no salão/ Arlequim está chorando/ pelo amor da Colombina/ no meio da multidão".

Minha mãe repetindo mil vezes Clara Nunes: " Era um peito só/ cheio de promessas / era só"

Gonzagão e Clara Nunes chegaram até mim primeiro pelas vozes das mulheres que me criaram. Mais tarde se tornaram paixões queridas. Sua músicas, cuja indentidade remete a espaços e tempos aos quais não pertenci, ganham significados múltiplos nas medida em que se misturam às lembranças do meu próprio passado, ao afeto que no passado recebi. Gonzagão e Clara são um pouco metonímia da minha infância.

Existe ainda uma outra constante musical atrelada ao meu universo infantil: Roberto Carlos. Humm, mas aí a parada muda de figura...rsrsrs Sempre rejeitei veementemente o Rei. Minha mãe é fãzona dele. Só não é mais fã, porque não é dada a arroubos. Porque se fosse, minha casa teria fotos do Roberto espalhadas pelas paredes. Bem, Cds e dvds já andam espalhados por aqui. Enfim, ela ama o Rei. Especial de fim de ano na Globo é sagrado;qualquer reportagem sobre ele, um evento interessantíssimo.

Por teimosia e por um certo " trauminha", eu odiava o Roberto Carlos. É, isso até parar de palhaçada, comprar o dvd " Elas cantam Roberto" e me apaixonar. Vejam bem, ainda não caio de amores pela figura meio bizarra do Roberto -aqueles ternos azuis me dão arrepios-,no entanto, ao ouvir com boa vontade as músicas dele,cantadas por outras pessoas, me rendi.

Claudia Leite nem fede nem cheira pra mim, mas não dá pra passar incólume à beleza de sua interpretação de " Falando sério". É embevecedor ouvir , na voz macia da Cláudia, versos como esses: " (...) É bem melhor você parar com essas coisas/ de olhar pra mim com olhos de promessas/ E depois sorrir/ Como quem nada quer(...)". Perfeição! Quem é que nunca se sentiu um pouquinho assim?

Roberto tem a manha das palavras simples, de tirar beleza de construções prosaicas que parecem saídas da boca de qualquer um. Tenho uma queda toda especial por gente que escreve com simplicidade, com singeleza. As músicas de Roberto são amorosas, românticas sem serem derramadas . São doces, sem ser melosas. E sobretudo , são honestas.

A voz que emerge dos versos não oferece ilusões, nem perfeição ao ser amado. O amor é sempre humano, aquele que é possível de existir.Amor que acaba, amor que suplica, amor que se realiza, amor que deseja.
Quer coisa mais honesta que " Detalhes"? " Não adianta nem tentar me esquecer/ Durante muito tempo em sua vida / eu vou viver". Pretensioso, arrogante, cheio de marra como só os abandonados, os largados são capazes de ser !!! Há maior declaração de amor do que aceitar o outro exatamente como é? "Olha, você tem todas coisas / que um dia sonhei pra mim/ a cabeça cheia de problemas/ mas eu não me importo/ eu gosto mesmo assim/ Tem os olhos cheios de esperança/ de uma cor que ninguém mais possui (...)"

(Ai, ai. Enquanto escrevo , estou ouvindo a Ivete Sangalo cantando " Olha". Essa música acaba comigo! Uma das coisas mais bonitas que eu já ouvi.)

Bem, eu poderia citar vários e vários versos do Roberto e do Erasmo ( o Roberto é um chato,mas o Erasmo é um coroa com bossa,gente! Imagino o pegador que ele deve ter sido, cheio de charme e borogodó...rsrsrs),mas acho melhor parar por aqui, a fim de me recuperar do espanto por ter escrito tanto sobre aquele que " assombrou" a minha mais tenra infância. rs

Parafraseando a brilhante letra do funk que bombou no verão do RJ, " Roberto é o Roberto".

3 comentários:

Day disse...

Nossa!

Eu estava com medo do que ia ler, mas acabei concordando! hehehe

Eu assisti o Elas Cantam Roberto, e amei! As letras são mesmo muito boas.... =)

Beijos!

Lia disse...

Minha mãe também ama o Roberto...

Eu gosto mt das suas letras...masss tbm seus ternos me deixam louca hehe

bjus

Cíntia Mara disse...

Acho q comentei isso no chat outro dia, as coisas a que eu fui obrigada a conviver na infância, hoje me causam aversão. É assim com as músicas sertanejas que o meu pai até hoje adora. Minhas memórias estão recheadas de "não interessa se ela é coroooa, panela velha é que faz comida boooa", kkkkkkkkk.

As letras do Roberto realmente são muito bonitas. Mas não é... hmm... algo que eu colocasse pra ouvir de propósito, sabe?

Rachei de rir com você falando do Erasmo, kkk.