quarta-feira, 30 de junho de 2010

Teen

 Mochila nas costas+ tênis+ argolas gigantes+ prendedor  de cabelo multicolorido+ voz de taquara rachada =

1) " Professora, a senhora tem mesmo 26. Parece que fez dezoito!"

2)" Ei, garota, pode sair entrando assim não. De onde ... Ops, desculpa aí, professora! Não reconheci a senhora!"

Bem, vou fingir que acredito nessas suas gentis criaturas. Se bem que eu não poderia  imitar a Drew Barrymore em " Nunca fui beijada" e sair por aí me passando por adolescente. Afinal, pra falar a lingua da galera, é preciso ler Yes Teen e eu sou do tempo da Querida ( " a sua melhor amiga")

Tem alguns alunos que até dizem que sou playsson. Torço com todas as forças para que haja algo de elogioso nessa alcunha. Será? =p

P.S.: Não sabe o que é playsson??? Xiii, então , você é muuuuuito velho mesmo! hahahaha
Playsson tem duas acepções: 1- garoto pegador   2- Pessoa ou coisa legal.
Pelo menos, foi o que me disseram.... hahahahahaha

terça-feira, 29 de junho de 2010

Cansa, às vezes, cansa!

Ainda estamos na Copa. Todo mundo anda bem feliz com os " feriados" inesperados e muito bem -vindos. Os jogos da Seleção dão vontade de dormir, mas ninguém desgruda da frente da tevê.  Já que a seleção não empolga, seguimos discutindo, debatendo, "twittando" acerca do caráter dos boleiros,né? A boca suja do Kaká e a ex-namorada do goleiro do Flamengo foram até tema de debate ( não, não fui eu que propus o tema) entre os alunos do sexto ano.

O funcionamento do senso comum é engraçado. Me pergunto: se Kaká deixou de ser bom moço porque soltou um e outro palavrão num momento de tensão, qual seria o rótulo mais adequado para  um rapaz que  afirma que agressão entre casais é algo normal e que foi mais de uma vez denunciado por violência contra mulheres?

Como todo mundo, só posso especular sobre a situação do Bruno do Flamengo. Mas vamos combinar que é parece melhor ser surdo a ter de escutar algumas das idiotices que as pessoas andam dizendo por ai.

Ouvi uma pérola hoje cedo: " Mulher é tudo safada mesmo. Essa daí teve o que merece. Foi se meter com homem casado. Elas se jogam pra cima dos caras e depois ficam querendo pensão."

Aham!Tá bom!

Dos presentes

cartão amarelo: " desejo... que você se permita desejar tudo o que merece; sem pressa, sem pudor, sem muito juízo. E que vá realizando tudo bem devagarinho, saboreando cada conquista, diariamente.

caixa vermelha: " nosso amor por você é demais como a vida deve ser. apesar de."

sapatos bonitos de cinderela, pão com mortadela, brincos glamourosos, friends e arquivo x em caixinhas pra guardar na estante, camiseta da seleção naquele azul que é o mais bonito, sacola pra levar os livros, a foto mais bonita da noite,um edredon cheio de tulipas lilases, clarice.

Presentear é uma arte. Nem sempre a gente acerta.

Dessa vez,  todos acertaram. Porque o bom não é somente receber o que se parece com a gente,mas também ganhar um pouco do que fomos, seremos e desejamos ser.

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Mas a gente vai descobrindo...

"Eu não sei o que vi aqui
Eu não sei prá onde ir
Eu não sei porque moro ali
Eu não sei porque estou
Eu não sei prá onde a gente vai
Andando pelo mundo
Eu não sei prá onde o mundo vai
Nesse breu vou sem rumo
(...)


Cada um sabe dos gostos que tem
Suas escolhas, suas curas
Seus jardins
De que adianta a espera de alguém?
O mundo todo reside
Dentro, em mim
Cada um pode com a força que tem
Na leveza e na doçura
De ser feliz."
( Onde ir - Vanessa da Mata)

sexta-feira, 25 de junho de 2010

Quase 26

Quando eu era criança, fazia contagem regressiva  de uma semana para o meu aniversário.

Esse ano, farei a contagem regressiva de um dia. Vale? =p

Amanhã, eu fico mais velha!!!!!

P.S.: ah, nem adianta cantar " Aha, uhu! Juliana, vou comer seu bolo", porque não vai ter bolooo! hahahahahahah

quinta-feira, 24 de junho de 2010

Às duas da manhã

Tudo começou assim:
1)      1)Lia me mandou um e-mail dizendo que havia enviado um SMS pro meu celular.
2)      
      1-a)Me lembrei de que  meu celular esta descarregado desde domingo e de que não tenho ideia de onde esteja o carregador.

3)    2)  Tempos atrás, uma situação como essa seria impensável porque meu antigo celular costumava ser quase uma parte do meu corpo. Vivia grudada nele, até na hora de dormir. Será que meu problema é com  esse celular novo? Estou sofrendo de rejeição a esse aparelho que todo mundo acha que é prata ,mas ,na verdade, é rosa.

4)   3)   Daí me lembrei de uma piadinha que Scully faz com Mulder num episódio da quarta temporada de Arquivo X. Mulder diz que viveria muito bem numa cidadezinha do interior, daquelas bem típicas dos EUA. Scully  rebate dizendo que se ele ficasse longe do celular, acabaria sofrendo de Esquizofrenia catatônica. Bem, eu ,até um tempo atrás, corria o risco de catatonia longe do meu antigo cel,mas acabei de descobri que esse novo nem me faz falta.

5)     4) Lembrava da piadinha da Scully  pela metade. Tive  que pegar o DVD do episódio e conferir o que ela dizia ao certo. Daí me dei conta de que estou ultrapassada mesmo. O mundo todo parou pra ver Lost, todo mundo vê House , meio mundo baixa os episódios de Grey´s Anatomy e eu colecionando DVDs de Arquivo X.  Oh, meu Deus, sou tão anos 90!

6)    5)  Assisti a dois episódios de Arquivo X; dois que nunca revejo porque me dão medo. Pior que colecionar DVD de seriado velho é ter medo de alguns episódios. E ainda pior: me dou conta de que os episódios são de 1996. David Duchovny era um pitéu naquela época,mas fiquei chocada com os aparelhos celulares e com o notebook que aparecem nas cenas.

7)     6) Sou ultrapassada.  Meu cérebro lembra de piadinha de seriados da década de 90 e, ao contrário do que imaginava, sobrevivi quase uma semana sem celular.  Como isso foi possível , meu Deus??! =p

P.S.: Duvido que  eu consiga sobreviver  sem o 3G e o telefone fixo.
P.S.2: Seis meses se passaram  e ainda não me dou bem com o meu Motorola.
P.S.3: Eu deveria estar dormindo há pelo menos duas horas.  hehehe

Michael Jackson Brasileiro

 Fato: minha vó é uma figura.

Estávamos vendo uma reportagem do Vídeo Show sobre a morte do Michael Jackson, na qual aparece o cantor dizendo " I love Brazil" pra Glória Maria.

Daí minha vó me solta: " Uma palhaçada esses brasileiros que vão morar fora e voltam falando " Ai lovi , ai lovi".

Eu: " Vó, mas ele não é brasileiro. O cara tá falando a língua dele."

Ela: " Lingua dele, língua dele... Só pobre e brasileiro  que faz isso."

Eu, com olhos saltando da cara: " Ô, vó! Desde quando o Michael  Jackson era pobre e BRASILEIRO?

Ela: " Ué, esse não é o cantor que era preto virou branco, era brasileiro virou americano?"

Estou rindo até agora!

Alguém pode me explicar de onde  minha querida vovó tirou essa nova teoria sobre o coitado MJ? Será que dá pra faturar uma grana com essa de MJ brasileiro?

Assassinato no Expresso do Oriente

Aos 13 anos,  eu queria ser Agatha Christie, quando crescesse.
Diversão era passar as tardes, sentada nos galhos da goiabeira do quintal , lendo todos os livros da Agatha. Nessa época, eu tinha quase uns trinta livros dela. Depois, de tanto emprestar, eles foram desaparecendo. Até o meu favorito dela, Punição para a inocência, tomou chá de sumiço.

Domingo, depois do jogo, esbarrei num daqueles livreiros de rua e dei de cara com um exemplar baratérrimo de  Assassinato no Expresso do Oriente. Comprei e reli.Pra gostar de Agatha, tem que ler esse livro. Talvez seja o mais surpreendente de todos que ela escreveu. Ah, não! Tem  O Assassinato de Roger Ackroid também. Ambos são de fazer o queixo cair.


A trama de AEO se passa dentro do famoso trem Orient Express.  Durante uma forte nevasca que  interdita a linha férrea , um ricaço americano é assassinado.  Entre os passgeiros, está Hercule Poirot, o personagem mais famoso da Agatha. Adoro o Poirot! Ele é um velhinho excêntrico, totalmente “ sou- a –última –bolacha- do pacote”,  levemente obsessivo-compulsivo, mas uma pessoa extremamente inteligente e de bom coração. Poirot  não faz mesmo a linha do detetive que sai atrás de pistas e acha que ela são fundamentais para se resolver um crime. Para esse velhinho belga, a ferramenta de trabalho de um bom detetive é “ massa cinzenta”.
No AEO, Poirot faz muito uso de seu cérebro para tentar encontrar o assassino do tal ricaço americano, Mr. Ratchett, pois   não  é possível identificar suspeitos para  o crime. Todos os passageiros do trem parecem ser igualmente culpados e inocentes. 
Como não poderia deixar de ser, há nesse livro, toda a galeria de personagens típicos da escritora: um coronel inglês durão e frio, uma jovem bonita e autossuficiente, uma senhora exagerada e meio maluca, membros da realeza européia. Quando já se leu tantos livros da Agatha, a gente já começa a sacar quem é o assassino só observando as características dos personagens. Mas ,em AEO, a Agatha foi bem inovadora, por assim dizer.
Esse livro pode ser tudo, menos óbvio.
E o melhor: não desgrudei do livro. Até parecia que já não sabia final... = p

p.s.: há o filme baseado no livro,mas eu ainda não vi.

Adeus, Itália!!


Ahhhhhhh, que peninha!!!

Caixa de Entrada (00)

 Você também fica se sentindo meio tristrinha(o)  quando  há dias ninguém te manda um e-mail pessoal ?

Porque e-mail de propaganda e  de trabalho não trazem felicidade! =p

A Editora Abril tem sido o meu mais  frequente remetente. Dá pra acreditar nisso? rsrsrs

Ainda dá tempo de torcer pra Eslovênia?

segunda-feira, 21 de junho de 2010

Ponto fraco

" - Você está  bem grandinha para se deixar levar por crises de personalidade. Afinal, convive consigo mesma  há muito, muito tempo, logo  já devia ter se habituado a ser quem é e ponto.

 - Puxa , é que eu só queria ser doce, graciosa e  delicada.

- Mas você é tudo isso...

- Sou nada! Se fosse mesmo, ninguém andaria por aí  a não  me levar a sério. Não importa se estou me sentindo eufórica ou estilhaçada, sempre vem alguém me dizer que sou  engraçada.

- Mas você é engraçada e isso é bom!

-Deve ser pra você,mas não pra mim. Se ainda o fosse graça que rendesse dinheiro, servisse pra montar stand up comedy e  ficar rica.  Nada! É uma maldita de uma graça que não presta pra nada. Nem faz as pessoas rolarem de rir,nem   me faz ser disputada por cursinhos pré-vestibulares!

- É que a sua graça  é de um tipo ... como direi... intrínseco.

- Não me venha com palavras difíceis!!!

- Você não é hilária, risível ou ridícula. Nada disso. É que há uma coisa nesse seu jeito de ser, de se expressar, de se mostrar para o mundo que faz  sorrir e rir.

- Mas eu queria ser uma lady...

- Tá certo!  Daqui por diante, vou te chamar de princesa. - Risadas

-   Tô falando serio! Não tem graça!

- Tá bom! Não tem!"


( Qualquer semelhança com a realidade é mera consequência.

A impressão de que  já ouviu essas palavras em algum também não é casual.

Esse diálogo nunca aconteceu. Houve , sim, ao longo dos anos, algumas versões menos fofas e simpáticas, envolvendo variados interlocutores. Mas, talvez, essa versão  " de mentirinha" seja mais compreensível pra essa sua cabecinha de melão, querida Miss Simpatia.)

 =p

-

Aquilo a que se chama amor

"Amar? Não. Amar, não. Uma vez me descreveram o amor. Coração pulsante, coração selvagem, coração aflito. Deve ser assombroso o amor. Bom? Ruim? Quente? Frio? Assombroso... Também me contaram que, em certos momentos, o amor faz chorar. Uma chuva fininha... (...)

Ou grossa. Depende...

Depende. De qualquer modo, o amor chove. Foi o que me contaram. Não chove?"

trecho da coluna  Máscara,da Revista Bravo, sobre   a peça " A máquina de abraçar", de  José Sanchis Sinisterra.

***

"Ele tocou minha mão, e meu coração se acalmou mesmo. Acho que o dele também. então,nós saímos a caminhar de mãos dadas. Acho que foi ali,naquele momento que o Tadeu virou meu namorado e eu, namorada dele. (...) Vontade de gritar esta felicidade pra todo mundo ouvir. Vontade de guardar só pra mim."

trecho do belíssimo e delicioso livro " Meu pai não mora mais  aqui", de Caio Riter.



P.S.: O livro do Caio vem classificado como infanto-juvenil. Bobagem! À literatura, não cabem rótulos. Livro bonito é bonito pra qualquer público, pra qualquer idade.

sexta-feira, 18 de junho de 2010

Não consegui ficar em silêncio

Parece que todo mundo lia Saramago.

Vi um e outro post ironizando a enxurrada de lamentações e citações acerca da morte do Saramago. Me senti meio indignada porque esta foi a primeira vez que senti, de fato, a morte de alguém famoso. Mais que ficar triste, eu chorei.

Acordei mais ou menos às onze e fui logo ligar pra Tiago, pra desejar feliz aniversário. Meu amigo disse que tava meio triste e eu quis saber por que motivo, afinal aniversário não é data de tristeza. Daí Tiago me disse que era melhor eu não saber porque eu teria um siricutico.Não tive nenhum siricutico ao ouvir Tiago dizer que Saramago tinha morrido, mas meu coração ficou apertado na hora.

Minha amiga Ju disse uma coisa muito engraçada sobre o Saramago: que ele era o Michael Jackson das letras; tava difícil de acreditar na morte dele. Eu tive de perguntar uma porção de vezes ao Tiago se ele não tava me zoando. Tava difícil de acreditar.

Dia desses mesmo, André e eu estávamos brincando que tínhamos logo que dar um jeito de conhecer o Saramago porque ele tava velhinho, poderia morrer logo. Mas era só brincadeira. Sabe quando você nunca imagina que aquela pessoa de quem você é “ tiete” vai morrer? Então, pra mim, Saramago viveria pra sempre e ponto.

Talvez você se pergunte o porquê de tanta comoção de minha parte. Afinal, o cara era só um escritor- escritor extraordinário-, mas só um escritor. É,ele era só um escritor. Nunca o vi de perto, nem sei muito sobre sua vida. Talvez nunca vá entender as opiniões radicais que tinha ou o comunismo que defendia com tanto afinco. Não , não compartilho de seu ateísmo. Muito menos sou besta de confundir a incrível figura do narrador de seus romances com a pessoa que ele foi.

A morte de Saramago afeta uma deliciosa certeza que eu tinha: a de que eu vivia na mesma época, no mesmo tempo do cara que escreveu do livro que mais amo. Enquanto lia “ O Ano da Morte de Ricardo Reis”, sabia que o cara que criou Marcenda, Lídia estava em algum lugar respirando. Pensamento besta,né? Mas eu pensava que poderia contar pro meus netos que eu tinha vivido no mesmo tempo em que aquele escritor genial. Drummond morreu antes de eu aprender ler. Clarice morreu antes de eu nascer . Camilo morreu em outro século. Do Camões, nem pó deve existir mais. Cecília, Quintana, Virginia Wolf, todos mortos. Restava o Saramago. Agora não resta mais.

Quando li “ O Evangelho Segundo Jesus Cristo”, fiquei tão aparvalhada, tão inebriada que fiz um poema. Bem, eu não sei fazer poesia, mal sei rimar,mas foi poesia o que me deu vontade fazer ao ler um determinado trecho do livro. Isso tem uns sete anos. Tinha acabado de entrar pra Letras. Secretamente, eu pensava que um dia o Saramago leria o poema que as palavras dele provocaram em mim. Ele não lerá mais.

Fiquei pensando que agora restam apenas os livros já escritos. Imagine! Como se “ Ensaio Sobre a Cegueira”, “ Memorial do Convento”, “História do Cerco de Lisboa”, “ Caim” pudessem ser encaixar na categoria de “apenas”. Em vez de lamentar a morte do Saramago, talvez fosse melhor celebrar o fato de que ele existiu e criou livros extrordinários. Ele existiu e me faz amar profundamente as palavras escritas na minha língua materna.

Luto


Não me cabe dizer qualquer coisa diante da morte de um gênio.

Para José Saramago,o insignificante silêncio daquela que se viu, para sempre , modificada pela beleza de suas palavras.

quinta-feira, 17 de junho de 2010

Na sala de aula

Faz sentido uma pessoa levar para os alunos assistirem um filme de que ela nem gostou muito? Bem, eu fiz isso.

Explico: vi o filme Um Sonho Possível, aquele que rendeu um Oscar a Sandra Bullock e gostei e não gostei, ao mesmo tempo.  Como assim? É que a história é aquela típica dos americanos: um cara " looser" que se transforma em um grande vencedor. Não sou muito fã dessa valorização de quem é extraordinário,de quem foge à regra, blá, blá. Afinal, quase sempre a meritocracia é um regime que  não funciona...
Enfim.. a narrative gira em torno de dua figuras: um adolescente paupérrimo, negro e " grandalhão" e uma mulher rica que decide levar esse rapaz para morar em sua casa e ajudá-lo a se tornar jogador de futebol americano. A história é previsível, cheinha de clichês e tal,mas  chama atenção por ter sido baseada em fatos reais. Confesso que fiquei arrepiada quando o Michael da vida real apareceu no fim do filme.

Justamente por ser uma história real é que achei que iria chamar a atenção dos alunos. Juntei as duas turmas do noturno e assisti ao filme com eles. Foi uma experiência diferente. Se em casa adiantei algumas cenas e ignorei outras; na companhia dos alunos, fui obrigada a ver o filme na íntegra. Foi legal ver o pessoal rindo, se emocinonando, torcendo pelo Michael. Interessante como  pude prever o que iria tocá-los.

Muito bem! Filme assistido, passei um trabalho. Falei assim: " escrevam, em no mínimo 15 linhas, a sua opinião sobre o filme. Podem escrever o que quiserem!"
Eu já deveria ter aprendido que dizer pra esses meus alunos " Façam o que quiserem" não funciona.

Apesar de serem todos adultos - ou quase adultos- , ficam confusos quando não têm um padrão, uma cartilha  a seguir. Alguns deles chegam ao ponto de me perguntar quantas linhas precisam deixar pra responderem um exercício.Não estou, de modo algum, criticando esse pessoal. Longe disso mesmo. Meu espanto reside na constatação de que a escola nem  sempre é capaz de emancipar as pessoas. Ter opinião, ter ideias, organizar suas anotações deveriam ser exercícios de autonomia  praticados na escola.

E querem saber: peguei, toda animada, as redações que o pessoal fez pra ler agora e senti uma pontada no coração.  Esperava ler um monte de coisa interessante. Afinal,vários alunos me disseram que amaram o filme. Surgiram comentários interessantíssimos sobre sociedade e política nas aulas posteriores, a partir do debate sobre o história do Michael Oher. Um dos rapazes comprou o filme e  já viu três vezes.

MAS há vários trabalhos idênticos copiados de um site de crítica de filme.

O pior é saber que eles nem fizeram as cópias por " esperteza". Fizeram porque  acharam que eu não iria dar nota boa em um texto que escritos por ELES.

" Pra não dizer que não falei de flores"

Olha que ironia: uma pessoa que não é chegada em flores tem uma blog chamado " Fina Flor".

Bem, não é que não goste. Flor é lindo lá no campo, nas árvores, no galhos. Agora, aqueles buquês gigantes de floricultura não me agradam nem um pouco.

Aposto que vocês vão dizer: " ahh, é porque você nunca ganhou nenhum, Ju!". Erraram! =p Já ganhei sim. Não eram exatamente buquês gigantes. Ganhei num aniversário begônias e, em outro, uma orquídea. Nenhuma das duas duraram muito nas minhas mãos...rsrsrs

Ultimamente, ando caidinha por uma tulipa. Lembram que havia um monte delas no topo do blog? Então, voltei a  ostentar tulipas no " peitoril" dessa minha janelinha virtual.  Anunciei com tanta alegria a escolha do template definitivo, né? Só que o " trem" sumiu. Simples assim. Sumiu. Daí resolvi deixar essa busca por templates de lado e voltar às boas e velhas tulipas.

São lindas,né, Miriam?

Caetaneando

quarta-feira, 16 de junho de 2010

Megalomania

Bolão no trabalho. Adivinhem o meu palpite pro jogo de domingo?

5x2

É que sou filha única. Se for pra ganhar, quero ganhar sozinha . Sacou?

Agora, alguém vem aqui e me dá um beliscão pra que eu acorde dessa minha ilusão!! rsrsrs

Desperdicei 5 reais.

Preciso comentar?



Bandeira aos pedaços

"E a vida vai tecendo laços

Quase impossíveis de romper:
Tudo o que amamos são pedaços
Vivos do nosso próprio ser"

excerto do poema " A vida assim no afeiçoa", do perfeito Manuel Bandeira

10 livros em 10 dias

Xi, eu nem pretendia responder mais nenhum meme nessa vida ,mas me vem a Cíntia e me indica lá no blog dela. Olha, vocês estão de prova que eu tentei resistir ao " vício"!! rsrs


Hummm, vamos ao MEME!!

Oba!!!

1- O livro de que mais gostei:

Difícil escolher um só ,viu! Vou indicar o primeiro que veio à minha cabeça: O Ano da Morte de Ricardo Reis, do Saramago.

Esse livro é uma das coisas mais primorosas desse mundo. Não sei se sou capaz de explicar direito o enredo, porque Saramgo construiu uma narrativa toda especial, cheia de camadas de significado. Vou dar uma dica: Ricardo Reis é um dos heterônimos do Fernando Pessoa, o poeta português. Não me arrisco a falar mais porque corro o risco de dar um nó na cabeça de vocês e ainda não dizer " lé -com- cré".

Fato: o livro é sobrenaturalmente lindo. Talvez eu goste tanto dele porque antes de lê-lo, ouvi a leitura das páginas inicias feita por uma professora fabulosa e dona de uma voz linda.

2-O livro que mais odiei:

Difícil também. Não leio livros que detesto, nem tento. Deixem-me pensar... Olha, eu não gosto de modo nenhum de Memórias Póstumas de Brás Cubas, do Machado de Assis. Isso parece uma heresia , considerando a faculdade que cursei, mas não MP não me desce. Criei bloqueio, trauma, sei lá!! rsrsrs

3-O livro mais barato que comprou:

Não sei se é sovinice ou sorte, mas é um fato: os livros baratos vêm até mim. =p Dificilmente dou muito dinheiro num livro. Minha lógica é simples: se o livro for clássico, de autor bonzão, vou encontrar algum exemplar em sebo; se o livro for novo, um dia o preço abaixa. Sou muquirana, tá bom, já sei,mas vai dizer que minha lógica não é coerente? rsrsrsrs

Há um tempo atrás comprei um dos melhores livros que já li O Conto da Aia, da Margaret Atwood, por 5 reais. Calma, mas não é só isso! Comprei um exemplar novinho, lacrado e que custava 45 reais na livraria. Se já não bastasse essa proeza, voltei na barraquinha da eira de livros em que comprei o livro e trouxe um outro exemplar perfeitinho e igualmente barato para dar de presente para a Jackie.

Fazendo as contas: 2 livros na livraria = 90 reais

2 livros na feirinha =10 reais

4-O livro mais caro que comprei:

Hummm... Não sei! Simplesmente não consigo me lembrar. Serve o livro mais caro que tenho? Ulisses, do James Joyce. Deve custar quase uns cem reais. Nõa tenho certeza,porque ganhei de presente e preço de presente a gente não procura saber, né?

5-O livro que mais prendeu minha atenção:

Talvez o último Harry Potter. Li aquele calhamaço em dois dias. A narrativa é irregular, há um monte de furos, fiquei indignada com a morte de um dos meus personagens favoritos, no entanto não consegui sair da frente do computador nem por um segundo. Sem contar que há uma cena em Relíquias da Morte que me faz chorar infinitamente: aquela em que Ron destrói o medalhão. Solucei sem parar,ao ler esse trecho.

Um outro livro que também li de uma tacada só foi A walk to remember, do Nicholas Sparks.

6-O livro que menos prendeu minha atenção:

Sem hesitar: Viagens na Minha Terra, do Garrett. Esse livro é leitura obrigatório na faculdade de Letras. O Garrett é O cara na literatura portuguesa, de verdade! o Homem fez um monte de malabarismos narrativos e ainda criou um modo todo especial de Romantismo em Portugal, entretanto VMT é um PORRE.

Li porque era obrigada e porque tive aula com a professoara mais extraordinária desse mundo. Qualquer chatice com ela vira quase uma dessas stand-up comedies. Além disso, eu me sentia culpada quando não lia os capítulos pra aula, então me obrigava a ler tudo sempre.

LIVRO CHATOOOOOO! rsrs

7-O livro que mais recomendo:

Nossa, difícil novamente, mas vou ficar com Primeiras Estórias,do Guimarães Rosa. Eu sei que o Guimarães não é uma leitura fácil, mas não dá pra passar por essa vida sem ter lido um conto chamado A Terceira Margem do Rio. Coisa mais linda do Universo, de verdade!

Posso ser radical? Que nunca leu Drummond, João Cabral, Clarice, Cecília, Quintana e Guimarães nem deveria dizer por aí que leu alguma coisa na vida!

Nossa! Quanto radicalismo!! hahahaha ´Mas é sério: Guimarães é uma experiência única!

8-O livro que menos recomendo:

Momento radical - parte 2. Não sugiro a ninguém que leia Paulo Coelho. Não adianta nem tentar me convencer. As duas primeiras páginas de Brida me causaram um trauma inefável!!rs

Paulo Coelho? NÃO MESMO!

9-Série de que mais gosto:

Não sou de ler séries. Talvez só tenha lido Harry Potter e as séries da Robin J. Gunn. Sendo assim, fico com a série Katie.

Katie era uma personagem da famosa série Cris, que li quando era adolescente. Há uns três anos, foi lançado o primeiro livro de uma série dedicada à Katie Weldon, uma mulher muito " peculiar", com a qual me identifico muito.

Às vezes, acho que " Katie Weldon c´est moi". hahahahaha



10- O livro mais velho que tenho ou li:

Esse é velho porque é do século XIX e também porque li uma edição de 1922: Vinte Horas de Liteira, do Camilo Catelo Branco.
Amo o Camilo sempre, sempre. Esse livro é fantástico, delicioso! Apesar de a grafia complicada ter atrapalhado a leitura, poucas vezes me diverti tanto com um livro.

P.S.: Não segui o conselho da Cíntia e também subverti o meme. Tenho mais paciência não pra responder um tópico por dia. Vão todos aí de uma vez mesmo.
Ah, e também não vou indicar, porque  suponho que todas vocês já devem ter recebido convite pra esse meme.

Ufa, cansei!
(ih, sem querer, acabei fazendo uma pequena homenagem ao Chico Mouse . hehehe)

Agora vou voltar ao trabalho!

terça-feira, 15 de junho de 2010

Momentos pré-jogo

Faltam mais ou menos noventa minutos pro jogo da Seleção começar e eu  tô aqui caçando alguma companhia legal pra me ajudar a berrar. Se bem que não posso berrar, porque o frio seco de São Paulo levou minha voz embora.
Minha vó vai ver o jogo na casa da vizinha. Eu poderia ir também, mas torcer acompanhada de um velhinho que só faz dormir e duas senhoras que não tão nem aí pra jogo de futebol não me parece atraente.

Tamiris tá no trabalho. Sussu não disse se aceita vir pra cá. Vivian deve estar também.

Ah, eu queria tanto ter pra quem mostrar a florzinha " cor do Brasil"...  que comprei pra por no cabelo=p

Posso mostrar pra vocês?





Considerações:
1- Foto feita no celular
2- Se alguém disser que meu cabelo tá parecendo pelo de poodle, eu atravesso essa tela e vou aí dar um socão...hahaha
3- Sim, sim, sou uma adulta num momento de teenager!! rsrs
4- Se eu não fosse tão " tímida"  ( digo  isso  pra não assumir que não sei fazer autorretratos decentes), mostraria pra vocês como meu cabelo  tá bonito. ( modétia passou longe, eu sei! rsrs)

Pausa para digressão acerca do cabelo: Cortei o cabelo dia desses e fiquei tendo umas crises. Não adiantou a Jaqueline me dizer que me cabelo não tava parecendo uma pirâmide, não adiantou ficar na frente do espelho dizendo " meu cabelo não é uma pirâmide". Eu tinha certeza de que meu cabelo ESTAVA uma pirâmide.

Pois é, hoje o cabelo não tá uma pirâmide e  não tenho mais nenhuma semelhança com a Nega Maluca.
Oba!!

Pausa pra digressão sobre a obra : eu jurava que a interminável obra na cozinha tinha chegado ao fim,mas eis que minha vó arruma de trocar todos os canos de todas as cinquenta pias dessa cozinha. Quero almoçar,mas não posso cozinhar! Alguém diz pro pedreiro ir embora porque eu tô com fome ...

AHHHHHHH

Fim das digressões e do post.

P.S.: Guenta que é HEXA , Brasil!!
Acho que vou passar um exercício assim  pros meus alunos:
1- Encontre 3 palavras que rimem com HEXA e façam um grito de guerra bonitinho para o próximo jogo da Seleção.
Será que eles tiram dez nesse?
hahaha

Acordei cantando essa daqui:




não precisa voltar MESMO!

Um dia a gente aprende...

... a deixar de querer ser " A bailarina".



Ciranda da Bailarina- Chico Buarque

Manual de instrução

Macete pra lidar comigo:
Ouça o que eu digo, desconsidere 50% e faça uma análise criteriosa do que restou. 

Leve em consideração  que enfio o dedo em tomada 220 volts todos os dia de manhã e que  meus pés não sabem muito bem como se faz pra tocar o chão.

Deu pra entender?

Porque meu primeiro nome é Juliana, o segundo é Hipérbole, o terceiro é ênfase e o último é sem-noção. =p

segunda-feira, 14 de junho de 2010

" Alguma coisa acontece no meu coração..."

Sabe quando você vive dias tão deliciosos que nem sabe como falar muito bem deles?

Então, estive em São Paulo no fim de semana. Talvez você pense assim: ora, São Paulo ? Se ainda fosse Paris... Bem, não tenho mesmo como transpor para cá as impressões que a cidade deixou em mim. Trouxe pra casa bem mais que um nariz ressecado, cordas vocais avariadas e um cachecol lilás lindo, lindo.

São Paulo, pra mim ,é assim ó:

Liberdade, chocolate quente com gosto de primeiro beijo, a melhor pizza marguerita do Universo, ruas limpíssimas, “ chuveiro- geladeira” ( piada interna, tá?),decepção com a 25 de março ( bem, pra quem conhece o Saara, a 25 parece uma ruazinha de nada rsrsrs), decepção com o frio ( sobrevivi sem congelar!), sushi pra levar pra casa, MUSEU DA LÍNGUA PORTUGUESA,peixinhos num aquário fofinho, “o maníaco do milho”, a vizinhança chiquérrima do hotel, 12 de junho nas calçadas da Oscar Freire, Bexiga, teatro, “ Não, vou dar, não vou dar... DEI”, cansaço, pés doendo, restaurante todo branco, padaria cujo cheiro se espalha pela rua inteira,barulho de talheres, sanduíche de mortadela GIGANTEEEE, o mijão do ônibus de ida, os cariocas perturbados do ônibus da volta.



Mas, quer saber, São Paulo pra mim são as pessoas fofíssimas, gentilíssimas e educadéRRimas que tornaram nossa estada possível:

O vendedor da 25 que acha que Nilópolis - o lugar onde fica a Beija –Flor - é uma ilha ( absurdooo!! Rsrsrsrs) e que nos “ensinou” a falar carioquês; a moça da Contém 1g que convenceu a Jackie a gastar uma grana preta em maquiagem; todos os motoristas, cobradores, jornaleiros, seguranças que serviram de guias turísticos; a rapaz adorável que nos guiou cheio de gentileza pelas ruas chiques; os “ poliça” bonitos que deram informações e balançaram nossos corações; o menininho fofo do mercadinho da Liberdade que tentou aprender “ carioquês”; a Lia , que mais parece um doce de algodão doce de tão fofa e gentil e  tem uma “amiga- cogumelo”.

Alguma coisa aconteceu mesmo no meu coração...



Pra resumir, esqueça tudo o que escrevi e fique com as palavras do Mário de Andrade:

“ Garoa, escorre do meus olhos”.



p.s.: São Paulo também serviu pra provar que se Jaqueline e eu não nos matamos até hoje, provavelmente, não nos mataremos mais...rsrs

p.s.: Lia, espero que a Gisa não leia isso daqui! hahahahahhaa

domingo, 13 de junho de 2010

Hoje acordei assim:

E eu que pensava que já sabia bastante sobre Ricardo Reis:

Sim, sei bem
Que nunca serei alguém.
Sei de sobra
Que nunca terei uma obra.
Sei, enfim,
Que nunca saberei de mim.
Sim, mas agora,
Enquanto dura esta hora,
Este luar, estes ramos,
Esta paz em que estamos,
Deixem-me crer
O que nunca poderei ser

( " sim", Ricardo Reis)

quarta-feira, 9 de junho de 2010

Desabafo fast food

A vida é engraçada, engraçada,minha gente!

Quando menos se espera, de onde é menos provável, surgem uma e outra ... aff... nem sei definir!

Junho, junho, você chegou, chegando MERMO, meu querido mês favorito!!

" De frente com a 'Tia' Ju' "

Tava ontem sentada na sala de aula, esperando o restante dos alunos da turma chegar, quando ouço:
" E aí, professora, vai ganhar presente?"

Eu: " Hã? Presente por quê?

Aluno: " Sábado , fessora. Presente do namorado. Já pediu o presente."

Eu, dissimulada e disfarçada que só: " Presente não se pede. A gente espera receber"

Aí me vem um coro: " Ah, então a professora TEM namorado? A senhora vai dar o quê de presente? Ah, professora, não comprei o meu ainda..."

Curiosidade " alunística" é um desafio,viu? Aluno pega no teu pé, pergunta, pergunta até que você se renda. Adotei com o pessoal desse ano uma nova técnica: nego tudo. A senhora é casada? Não. A senhora gosta de filme de terror? Não. Que tinta de cabelo a senhora usa? Nenhuma.

Porque se você der mole, a aula se transforma num " De frente com Gabi" e, no fim, vai acabar tendo que fazer a prova com questões do tipo " Qual é a marca do  tênis da professora?" ou "Por que a professora não vai ganhar  presente no dia 12/06?
Quem sabe até :"Qual o endereço do blog da professora?" 

Nãoooooooo, ESSA nãooooo! hahahahahahahahaha

terça-feira, 8 de junho de 2010

" Aquilo que não se pode ver"

Eu tenho fé.

Já tive e tenho muitas dúvidas a respeito de muitas das coisas do espírito, da religião, mas , sobretudo, tenho fé.  Durante muito tempo, achei que as incertezas, os questionamentos  faziam de mim uma incrédula. Havia tanto disparate entre o que eu sentia e o que as religiões diziam que eu preferia negar tudo; entre as respostas que não me desciam pela garganta e  a força do elo que me leva ao divino.

O que eu não sabia era  que estava fazendo uma bobagem. Exigia que a religião me tutelasse, me protegesse da minha condição humana. Na medida em que  me tornava mais obsessivamente religiosa menos as coisas faziam sentido na minha cabeça. Eu queria resposta, queria a maçã que a Eva ofereceu a Adão. Eu  teria aceito de bom grado também.

Hoje, funciono diferente.Ainda tenho as maiores dúvidas que se possa ter sobre tudo o que o catecismo não soube me responder, no entanto não nego a natureza especial e nada racional da minha fé.
Funciona assim: sei que sou cristã porque as circunstâncias de vida facilitaram isso.  A gente é mesmo condicionado a crer no que nos foi ensinado. Só que não posso negar " os milagres" e " os chamados" de Deus no meu dia-a dia, na minha vida. São coisas que só eu posso entender, só fazem sentido pra mim.

Agora mesmo tava organizando uns pensamentos aqui na minha cabeça e me dei conta de que tudo que eu tava maquinando tinha a ver com as orações que tenho feito. Talvez se eu tentar explicar pra alguém como é essa resposta, a pessoa pode não ver nada demais. Mas eu vejo, porque   Deus não me dá milagres sobrenaturais ( porque não vou levá-los muito a sério). Deus me oferece milagres que fazem tudo nessa minha vida ter sentido.

E é por isso que eu creio. Sempre.

Estranhezas

Alguém mais tem " nervosos estranhos"?

Sabe aquele negócio que te dá um arrepiozinho de nojo sem que você saiba exatamente  o por quê? Ou aquela agonia que dá só de olhar para coisas que a maioria das pessoas acha nada agoniantes?

Então,o Google Maps me causa essa agonia. Faz sentido? Pra mim, também não!=p

Mas tem algo naquelas imagens do Google que me provoca um nervosinho. A versão 3D , então,   provoca um nervosão!

Será que não sou normal , meu Deus? hahahahahahahahahaha

Leve

Ontem, Sueli e eu estávamos compartilhando nossas pequenas angústias de estimação ( angústias nossas e de meio mundo):

 Quem foi mesmo que disse que é preciso ter casa, marido, emprego, cachorro, tudo antes dos 30 anos?  Você consegue cumprir muito bem as metas. Beleza! E depois, faz o que da vida? Só aos vinte anos se é feliz? 30 anos é o fim da linha? Existem manuais, regrinhas?

A vida é tão MAIS ,né? Tão mais interessante e instigante; tão cheia de de possibilidades e , sobretudo, cheia de términos e começos. Fiquei pensando no " Comer , Rezar, Amar", livro do qual gostei muito. A narradora tinha a vida perfeita, consegeuiu cumprir todos os itens da lista da felicidade e chegou à casa dos 30 com tanta angústia, se sentindo tão na m*** que precisou percorrer meio mundo pra se resolver.

A verdade é que o mundo espera uma coisa de nós; o mundo  tem  um tempo e um ritmo que não combinam exatamente com o ritmo da gente.  Querer que o mundo espere por nós causa angústia,no entanto querer se guiar pelo ritmo frenético dos nossos tempos também é enlouquecedor.

Da listinha de itens fundamentais para a felicidade, acho que só tenho um e nem sei se quero , de fato, agora, já, nesse segundo, todos os outros. Sussu tem um item também. O dela é  daqueles mais desejados, porque ela teve a sorte(prefiro achar que foi abençoada) de achar um parceiro daqueles que tornam a vida mais fácil.

Daí que perguntei pra Su se ela acha que o casamento dela é pra sempre e eis que minha amiga responde:
" Não sei. Sei lá! Não penso nisso! Casei pra ser feliz e pra fazer feliz.Casei pra viver. Pra sempre é muito pesado, é muito tempo." Essa minha amiga sabe das coisas,né?

De vez em quando, fico em pânico com as pressões sociais todas,mas ultimamente tenho desejado( ou tenho me vsido obrigada a desejar rsrs) seguir essa cartilha da Su. Vivo pra viver mesmo; o resto é consequência!

Poxa, me  lembrei agora de um trecho do primeiro dvd da Maria Rita. Nele, a cantora comenta uma música, citando uma entrevista da mãe dela. Na  tal entrevista,  perguntam pra Elis o que ela desejava para a filha recém-nascida. Elis responde: " Que ela seja leve!".

Acho que é assim mesmo que o casamento, o trabalho, o amor , tudo deve ser: leve.

P.S.: A música que a MR comenta é essa coisa escandalosamente linda aqui: Menina da lua

sábado, 5 de junho de 2010

De oferecer


Quando digo que o mês de junho mexe com a minha habitual lógica interna, estou falando a verdade. Espia só: hoje acordei com vontade de ... me apaixonar.

Não, não tem nada a ver com a proximidade do dia dos namorados,tá!=p Acordei com vontade de me apaixonar do mesmo jeito que ,às vezes, acordo com uma vontade irresistível de comer pizza de alho. Huuuummmm

Alguém me diz como é que faço pra satisfazer essa vontade? Tem receita,macete ou manual de instrução?

Pelo que me lembro, só estive caída de amores duas vezes: aos doze e aos catorze anos. Aos doze , foi por um menino que não me dava menor confiança e que era desejado por meio mundo. Sofri horrores, porque era paixão daquela que aperta no peito. Era só ouvir o nome dele que o fôlego faltava, que meu mundo paralisava. Era bom e ruim- paradoxal , como só paixão sabe ser.

Aos catorze, foi uma coisa mais fofa, porque fui ,de algum modo, correspondida. O menino era legal, me dizia umas coisas legais,mas também , no fim de tudo, me disse que eu era complicada. Alguém consegue ser complicada aos 14?

De lá pra cá, vivi de encantamentos. Em algum ponto da vida, decidi que meu coração e meu desejo não seriam mais tão acessíveis. Nessa de “ manter a fama de má”, deixei de desfrutar das delícias de uma paixão que foi construída. Ainda não tinha lido Madame Bovary, ainda não tinha descoberto que idealização pode acabar com a beleza dos amores reais. Lamento não ter sido de quem me quis e soube me fazer querê-lo.

Há uma  crônica,supostamente do Drummond, que diz que quem não tem namorado é porque ainda não enlouqueceu. Eu diria que ainda não aprendi a perder o controle, pois parece que paixão, encantamento não combinam com maquinações, matemáticas, manipulações. Amor vem do nada, acho. Amor e controle não combinam.

Sendo assim, não cairei na tentação de achar que essa minha vontade de enamoramento (bonita palavrinha,não? Rsrs) não será satisfeita, já que não conheço nenhum moço que seja deveras interessante. Também não me deixarei levar pela certeza que tenho de que sou incapaz de entender os homens. Bem, isso é uma mentira que inventei, certamente. Afinal, acompanho perfeitamente o raciocínio de todos os rapazes que não me interessam romanticamente,né, não? rsrs

Ah,mas do que preciso fugir ,com certeza, é deste hábito que me acompanha desde sempre: a necessidade me manter resguardada. Jaqueline sabe explicar esse meu hábito direitinho. Vou parafrasear as palavras dela:

Quem me olha e me conhece, logo vai achando que sou mesmo essa mulher de sorriso aberto. Afinal , gosto tanto de gente e de história de gente;pareço tão aberta e tão acolhedora quanto meu sorriso. No entanto, entretanto, todavia, com a convivência, dá pra sacar que não é bem assim. Do que é meu, só meu , faço segredo e ponto, sem nem perceber. O sorriso e a animação estão sempre à disposição do freguês,mas o restante não ofereço fácil nem por um milhão de moedas de ouro ,não. Não ofereço nem fácil , nem difícil. rs

Hummm...Talvez eu queira, além de me apaixonar, aprender a me oferecer.



P.S. : Opa, perae!rsrsrs Atentem para os muitos sentidos que o verbo “ oferecer” pode ter! Refiro-me principalmente àquele que diz respeito à arte de saber compartilhar, se envolver com as pessoas.

Quanto ao outro, que faz pensar logo em “oferecida”, também pode ser considerado,mas pensem numa “ oferecida” cheia de elegância, discrição, charme e noção. Entendido?

hahahahaha

Adultos

Dizem que você se torna adulto quando deixa de se importar muito com a opinião dos outros, quando desmistifica certos traumas.

Não faço um tipo muito adulto,não, apesar de minha data de nascimento garantir que sou  " maior de idade" e responsável há muito tempo. Tem horas em  que me sinto como se ainda tivesse 17, com os mesmos medos,as mesmas vontades. Só que de vez em quando, em dias como os de hoje, sem querer querendo, me dou conta de que aprendi a encarar ,com a devida justeza e maturidade, algumas situações que eram aflitivas.

Não sei se ser adulto tem a ver com olhar para os pais e parentes e conseguir enxergar e aceitar sua humanidade, suas falhas, seus acertos. Cada vez mais paro pra prestar atenção nos meus parentes e vejo neles a beleza de  sua história e a bravura que sempre precisaram ter.Talvez não concorde com tudo o que fazem nem entenda certas motivações, no entanto, hoje, enxergo pessoas que demonstram amor do jeito que sabem, do jeito que podem. 

Pai, mãe, tio, avó são gente,né? Fazem um monte de merda? Fazem. Fazer o quê?

A gente também faz.

Se a vida é dura e espinhosa pra gente;pra eles, também é. 

Crescer deve ser um pouco isso:  reconhecer-se parecida com aqueles que,  até pouco tempo atrás, eram os adultos da casa.

Deve ser.

Aniversário do tio Zé

Resumão básico:

Churrasco, linguicinha de frango, costelinha de porco, farofa , fanta laranja , huummmm...

Paulo Victor e seus amiguinhos espalhando brinquedos por toda casa, primos adolescentes elucidando as dúvidas acerca do vocabulário dos teenagers, adultos disputando pra saber quem tem  a camisa mais maneira ( e menos falsificada) da seleção.

Tamiris, Juliana e uma motinha que não passa dos 60 km; Juliana e seu pavor incomensurável de garupas de motos; as ladeiras do Jardim Esplanada; um bolo equilibrista; Juliana apertando violentamente a barriga de Tamiris; “ ai, meu Deus, não quero cair!”.

Bolo de coco da Art Pão ( não como bolo,mas esse, só de olhar, dá pra saber que é bom!), salgadinhos, a vó cantando parabéns fora do ritmo, a tia cantando “ Entra na minha casa/ Entra na minha vida...” no lugar do parabéns, os primos morrendo de rir das duas.

Paulo Victor recusando o primeiro pedaço de bolo, o aniversariante cortando pedaços gigantescos do bolo, todo mundo protestando, todo mundo querendo levar bolo pra casa.

Música dos anos 70 e 80, crianças gritando, adultos gritando , “ xi, até parece briga!”, gargalhadas escandalosas e infinitas.

O aniversariante , já mais pra - lá- do –que – pra- cá, abraçando e beijando todo mundo!

Nem sempre a festa termina bem ,mas hoje foi assim mesmo!!!

Obaaaaa!!!

sexta-feira, 4 de junho de 2010

Eu bem tenho um template novo...

Viu, minha busca acabou!

Achei um template pra chamar de meu: bonito, limpo e  que ainda combina com meu esmalte. hahaha

Mentira! Não combina com meu esmalte nada!! Tô há uns três dias prometendo que vou tirar esse esmalte  descascado e ainda não tomei vergonha.

Bem, mas era de template que eu tava falando. Foi só o sol sair, maio terminar ( criei uma implicância meio obsessiva-compulsiva com esse mês e ponto. ) e, pronto, encontrei um template e , de lambuja, ainda  arranquei meu  bom humor e minha  disposição de seus esconderijos. ( Eles estavam debaixo da cama, dormindo quietinhos, em meio à poeira e aos sapatos. Acredita? rsrsrs)

Fim da fase " nude", tanto para o blog, quanto para esta que vos escreve!!

P.S.: Se você ainda não entendeu a relação entre layout de blog e   mau humor da blogueira, não se preocupe. Isso é maluquice da minha cabeça, tá? =p

Sobre aniversários, bolos e as maluquices que herdei da vovó

Gosto do mês de Junho porque gosto de aniversários.


Não entendeu a lógica?

Nasci em junho, numa família que considera um absurdo uma pessoa não comemorar o aniversário. O lema da minha vó é " Tem que fazer ao menos um bolinho."

Por falar em bolo de aniversário, eis um pequeno trauma de que me livrei. Não como doces, só chocolate.( Bem , chocolate não é doce, tá!! Pertence a uma outra categoria: a dos chocolates! =p) Quando era criança , recusava solenemente os pedaços de bolo que me davam na festa, para o desgosto da minha vó. Ela achava que eu tinha que aceitar e fingir que tinha comido. Depois de muito ouvir aquele papo de que é desfeita não comer o bolo, blá, blá,blá, passei a pegar a fatia oferecida, embrulhar no guardanapo e levar pra casa. Levei muito tempo pra perder esse hábito. Ainda hoje me vejo pegando o bolo e passando pra pessoa mais próxima, mas isso acontece cada vez menos. Antigamente, a primeira coisa que me ocorria ao me ver diante de uma fatia de bolo de aniversário era a voz da minha vó dizendo que não pegar o bolo era uma grandeeee desfeita, que o dono da festa iria ficar muito chateado. Será que Freud explica? rsrsrsrs

Tá achando que esse papo é exagero meu? Experimenta dizer pras pessoas que você não come doce nem açúcar  porque não gosta. Se você é diabético, tem alguma doença ou tá de dieta, ninguém fala nada. Mas vai dizer que não come porque não gosta... Acho que consideram uma espécie de falha de caráter, sei lá!

Agora vai entender: meu paladar não é nada tolerante aos doces e açucares reais e factuais, mas , no que diz respeito ao sentido figurado desses termos, gosto tanto da doçura das coisas e das pessoas. Doçura é a minha palavra favorita! rs

Será que Jung explica? hahaha

Ah, como eu queria ser docinha feito um brigadeiro... Hum, também não sou muito fã de brigadeiro,não!rsrsrs



P.S.: Tá achando esse post meio sem pé nem cabeça? É que pretendia falar de uma coisa e acabei tagarelando sobre outra. =p

P.S.: Lia e outros psicólogos, eu não tenho a menor ideia do que Freud e Jung explicam ou não, tá!! hahaha A referência a eles foi só um charme estílístico.

( Charme estilístico? Essa é boa! Desde quando vc tem estilo , Juliana?! =p)

terça-feira, 1 de junho de 2010

Friiiiiioooo

Junho querido, que bom que você chegou! Só não precisava ter trazido consigo ainda mais FRIO.

Sou carioca,mas não moro exatamente na cidade do Rio de Janeiro. Moro ali coladinho, então calor  é algo que faz parte da minha vida, da minha rotina , da minha necessidade. Se há alguma coisa que me deixa estressada, essa alguma coisa  é baixa temperatura.

O Climatempo diz que tá fazendo entre 15 e 22 graus . Duvido!! Vou falar feito a minha vó: esses metereologistas não sabem de nada. Quem sabe sou eu - eu e as minhas pantufas que não dão conta de esquentar meus pés...hahaha

Por falar na minha vó, quando eu era criança e reclamava do frio, ela me contava uma historinha bizarra:
 Um cara pobre se apaixonou pela princesa do reino e decidiu ir pedir a mão dela ao rei. O pai da moça, para testar o amor do rapaz, lançou um desafio. O rapaz tinha que ficar pelado no jardim, durante a noite.Moleza? Nada!! O reino era um dos lugares mais frios do mundo.
Burro como todos os apaixonados são,  o cara topou a tarefa e  ficou pelado no meio do jardim do castelo. Pra espantar o frio , o coitado cantava: " Tremerei, tremerei, que amanhã me casarei com a filha do rei!" 

Minha vó dizia que essas palavras  faziam o frio passar e eu acreditava. Quando saía do banho e entrava debaixo das cobertas pra dormir, eu já começava a cantar a música.

O pior é que o final da história nem é bonito. Toda vez , eu perguntava pra minha vó se o rapaz se casava com a princesa e ela respondia:
" Claro que não. Pelado, num frio de zero grau, a única coisa que poderia acontecer com ele era  morrer congelado."

E ela ria, ria, ria.

Minha vó , apesar desse pequeno exercício de crueldade, é uma pessoa do bem. Quase sempre... hahahahah


P.S.: Os links das HQ da Turma da Mônica  postados anteontem estão com problemas,mas da pra achar as historinhas no site oficial dá turminha.