segunda-feira, 21 de junho de 2010

Ponto fraco

" - Você está  bem grandinha para se deixar levar por crises de personalidade. Afinal, convive consigo mesma  há muito, muito tempo, logo  já devia ter se habituado a ser quem é e ponto.

 - Puxa , é que eu só queria ser doce, graciosa e  delicada.

- Mas você é tudo isso...

- Sou nada! Se fosse mesmo, ninguém andaria por aí  a não  me levar a sério. Não importa se estou me sentindo eufórica ou estilhaçada, sempre vem alguém me dizer que sou  engraçada.

- Mas você é engraçada e isso é bom!

-Deve ser pra você,mas não pra mim. Se ainda o fosse graça que rendesse dinheiro, servisse pra montar stand up comedy e  ficar rica.  Nada! É uma maldita de uma graça que não presta pra nada. Nem faz as pessoas rolarem de rir,nem   me faz ser disputada por cursinhos pré-vestibulares!

- É que a sua graça  é de um tipo ... como direi... intrínseco.

- Não me venha com palavras difíceis!!!

- Você não é hilária, risível ou ridícula. Nada disso. É que há uma coisa nesse seu jeito de ser, de se expressar, de se mostrar para o mundo que faz  sorrir e rir.

- Mas eu queria ser uma lady...

- Tá certo!  Daqui por diante, vou te chamar de princesa. - Risadas

-   Tô falando serio! Não tem graça!

- Tá bom! Não tem!"


( Qualquer semelhança com a realidade é mera consequência.

A impressão de que  já ouviu essas palavras em algum também não é casual.

Esse diálogo nunca aconteceu. Houve , sim, ao longo dos anos, algumas versões menos fofas e simpáticas, envolvendo variados interlocutores. Mas, talvez, essa versão  " de mentirinha" seja mais compreensível pra essa sua cabecinha de melão, querida Miss Simpatia.)

 =p

-

Nenhum comentário: