quinta-feira, 8 de julho de 2010

Benedetti por inteiro


Resumo

resumindo
digamos que oscilamos
entre alegria e tristeza
quase como dizer
entre o céu e a terra
ainda que o céu de agora e o de sempre
se ausente sem aviso


as ideias vão se tornando sólidas
sensações primárias
palavras ainda em rascunho
corações que batem como máquinas
serão nossos ou de outros?
este choro de inverno não é igual
ao suor do verão

a dor é um preço / não sabemos
o custo inalcançável da sabedoria

pensamos e pensamos duramente
e uma paixão estranha nos invade
cada vez mais tenaz
mas mais triste

resumindo
não somos o que fomos
nem menos do que fomos
temos uma desordem na alma
mas vale a pena sustentá-la
com as mãos/ os olhos/ a memória

tentemos pelo menos nos enganar
como se o bom amor
fosse a vida.




Esse poema foi escrito por um uruguaio fantástico, o Mário Benedetti.  Há um livro dele que amo ardorosamente, A Trégua. É bonito, alegre, triste, tudo ao mesmo tempo.


Na época em que quis fazer um blog sobre livros, cheguei a fazer um post sobre A Trégua. Vou procurar e postar aqui.

Um comentário:

Loraine disse...

Adorei a poesia!
Sempre gosto de ler coisas que expressam a desordem da alma.

Obrigada, vou seguir o seu a partir de agora.

=)

Beijos.