quarta-feira, 28 de julho de 2010

Pedaço do meu coração

O título do livro que estou lendo causa uma certa comoção. Hoje,  o rapaz da locadora que frequento ( Sim, eu ainda vou a locadoras de filmes!)num acesso de simpatia surpreendente ( ele faz o maior estilo “ emburrado- sim- e – daí" ) deu uma olhada na capa do livro e disse: “ Tá lendo o quê?” Não sei por que,mas me deu uma minivergonha por ter que dizer : “ Pedaço do meu coração”. Digam pra mim que vocês também acharam que o titulo é um tanto peculiar, digam!=p

Pois é , ainda não terminei de ler “Pedaço do meu coração”, mas já devo dizer que ando caidinha por ele. Quando não estou tagarelando no MSN ou assistindo a algum episódio de Arquivo X ou olhando pro teto mesmo, estou lendo esse livrinho ( “ inho “ nada! Tem mais de 400 páginas). É engraçado que esteja tão viciadinha porque demorou pra eu gostar da história, para me identificar.

Ah, pelo que pude perceber, há vários outros livros  cujo personagem principal é charmosão do Inspetor Alan Banks. Isso aí: inspetor! Eu já ia esquecendo de dizer que não há  nada de romântico na história. “ Pedaço do meu coração” é um livro policial, daqueles muito bem escritos. A trama dá conta de dois assassinatos ocorridos em épocas diferentes. Um deles acontece em meio a um festival de rock em 1969. Pra quem saca alguma coisa de rock, o livro é um banquete de referências sobre grandes bandas- inclusive o inspetor Alan Banks é apaixonado por música.Eu só reconheci as citações óbvias, tipo Rolling Stones, Pink Floyd, Led Zepellin, mas uma pessoa que confunde Kurt Cobain e Axel Rose não conta. =p

Como não sei fazer resumos decentes, “ roubei” esse daqui de um blog:

 1969. Na época de amor livre e pura rebeldia, os acordes de Led Zeppelin, Fleetwood Mac e Pink Floyd ainda ecoam na fria manhã de 8 de setembro. No local onde acabara de ocorrer o 1º Festival de Brimleigh, o corpo de uma jovem é encontrado. Nos dias de hoje, um jornalista é brutalmente assassinado ao fazer uma reportagem sobre uma banda de rock. Dois crimes separados por três décadas, porém com estranhas ligações. Agora, o inspetor Alan Banks deve conduzir as investigações e revolver surpreendentes mistérios do passado.

 Bem, leva um tempinho pra se entender o que uma história tem a  ver com a outra,mas depois que as conexões são feitas, fica impossível largar o livro. O mais legal  é justamente como as investigações do passado e do presente são apresentadas. É um livro com dois enredos paralelos que acabam por ter pontos de intersecções.

Estou na página 245. Por enquanto, estou adorando. Depois, eu conto o que achei das 200 paginas seguintes.

P.S.: Esse livro me custou quase nada na Livraria Nobel. Não sei se a promoção ainda ta valendo, mas, há umas duas semanas, todos os livros da Editora Record estavam com descontos maravilhos. “ Pedaços” custava 58 reais; comprei por 9,90!!!

P.S.: No afã de escolher DVDs, acabei esquecendo o livro em cima do balcão da locadora. Adivinha o que o rapaz que veio me entregar disse: “ Ei, você tá esquecendo  o pedaço do meu coração!”. Poético,não! kkkkk

4 comentários:

Vanessa Carneiro disse...

uahsuhas, pois é Ju. já tenho um há algum tempo e vc é mto bem-vinda pra ir la qdo quiser. =]

=p pensei que o livro era romântico qdo vi o titulo. qm é o autor?
bjs

Rita disse...

Hahahaha! Prestenção, Ju, não larga o pedaço do coração do rapaz assim, à deriva, tadiiiinho!

Bj!
Rita

Cíntia Mara disse...

Fiquei frustrada quando você falou que o livro não é nada romântico. Poxa, com esse nome?
Eu gosto muito de rock, mas não entendo muita coisa, não. Só das bandas que eu gosto mesmo, rsrsrs.
Quando você terminar, me diz se é possível alguém descobrir o final ou se é do tipo de Assassinato no Expresso do Oriente, em que é impossível sacar alguma coisa. Se der pra descobrir, eu leio, kkkkk.

Ah, lembrei de uma vez que um colega de trabalho me perguntou qual livro que eu tinha na mão, foi quando minha maxi bolsa estragou e eu usei uma menor. Era O Evangelho Segundo os Simpsons. Fiquei super sem graça de mostrar.

Bjos

Débora Leite disse...

Acho que vou andar com esse livro na mão e esquecê-lo assim, desprentesiosamente por aí e ver se escuto uma dessas... hahahaha