segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Títulos

Estou lendo naquele meu estilo entrecortado um livro do Richard Sennett chamado Carne e Pedra. Não é romance nem  é de poesia; é um livro sobre a relação que estabelecemos com o corpo e a cidade. Ou algo assim! Não sou boa  em resumir livros, ainda mais esses carregados de teorias legais.

Comprei Carne e Pedra porque entrei na Nobel com ganas de adquirir um livro qualquer, porque li uns capítulos  deliciosos de outros livros do Sennett na faculdade, porque gosto de ler sobre corpo, porque ando com saudade de estudar, porque achei o título do livro um lindeza. Carne e Pedra não soa como verso de um poema bom?

Livro me ganha no título- ou fica marcado justamente por ele.  Não é delicioso ter um livro chamado Doze Contos Peregrinos? Adoro, adoro esse livro do Garcia Marquez, mas gosto ainda mais dessa combinação de palavras que o nomeia. Peregrinos não é uma palavra boa de falar? Nesse livro do Gabo, há um conto chamado o Rastro do teu Sangue Neve. Um conto lindo e um título danado de legal.

É lugar- comum ser doida por Clarice Lispector, mas acho que até quem odeia a Clarice ( existe tal pessoa? rsrs)  não é capaz de resistir a um titulo como Perto do Coração Selvagem. O livro é um escândalo de lindo, mas, por mim, nem precisava ter conteúdo, com um título desses. ( Eu choro tanto com a primeira parte desse livro...) Ah, e Uma Aprendizagem ou o Livro dos Prazeres ? Não dá vontade de comprar, tipo, nesse segundo?

Dia desses, esbarrei na Saraiva com  o livro do Edney Silvestre,  Se Eu Fechar os Olhos Agora. Não sei ao certo qual é o enredo do romance. Li a contracapa, mas o que ficou na minha cabeça foi esse título,gente! Dá vontade de saber o que vai acontecer quando esses tais olhos se fecharem.Dá vontade de fechar os olhos também  e deixar acontecer... Hum , viajei,né? Pois é, acho que esse é o propósito...

Um dos meu livros favoritos de toda vida, para sempre, até que eu não possa mais relê-lo é Canção do Mar. Nem sei se é famoso, não é desses que viram clássico, acho. Na verdade, é um grande "dramalhão mexicano", mas eu adoro. Choro, choro, choro. Dia desses, falo melhor dele. Acho que vocês não deviam continuar existindo sem ter lido esse livro... kkkk

Ahhhh, lembrei de um  que meu pai me deu quando eu tinha 8 anos,  A máquina de Pensar Bonito contra o Medo que o Medo que o Medo Faz. Alguém aí leu ? Ah, não é uma delícia de título?  E o que acham de  Bisa Bia  Bisa Bel ? Só fui  ler esse livro ano passado! Uma aluna me emprestou. Acho que TODO MUNDO deveria lê-lo.

Caramba! Minha memória está trabalhando frenética. Um monte de títulos estão emergindo da mente ,mas vou parar esse post por aqui, antes que eu seja incapaz de voltar a elaborar provas. Sim, toda vez que sou obrigada a inventar questões chatas com o objetivo de  aterrorizar os alunos,  fujo pro blog. Fazer listinhas de  títulos poéticos de livros lindos é bem mais feliz que trabalhar! ;)

P.S.: Ah, acabei de pegar Perto do Coração Selvagem e vi que a epígrafe do livro é uma citação do James Joyce : "Ele estava só. Estava abandonado, feliz, perto do coração selvagem da vida." Ufa,né? Não me perguntem de que livro saíram essas palavras. Não li nadica do Joyce, nem estudei nada sobre ele. Tenho Ulysses aqui na minha estante ,mas é só pra dizer que tenho. Acho que Ulysses é um livro pra se ter, saber que tá lá na estante, mas ler... ai, eu não sei se vou ler,não! =p

P.S.:  Olhem o que achei ao procurar alguma coisa sobre A Máquina de Pensar Bonito:  nota de falecimento do livro      De partir o coração! Ei, Carlos Alberto! Seu livro permanece vivinho na minha memória. Meu exemplar foi doado há muito tempo,mas deve estar por aí com alguma criança.

Nenhum comentário: