sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Um mimimi simpático




Mil ideias circulando na cabeça, mas preguiça imensa de escrever. Estava pensando no post perdido de anteontem. Deveria reescrevê-lo. Ai, preguiça!Mas o lance é o seguinte: bateu  uma sensação de que nós - vocês e eu - estamos ficando íntimos demais. Pois é, intimidade me intimida.

Inventei de criar o Fina  porque andei apaixonadinha por vários blogs - a paixão permanece. Todo mundo tinha um blog, eu também queria. Mas esse negócio de blog é engraçado: quando você se dá conta, fica de tal jeito envolvida que  quase deseja morar dentro dele. É que no Fina Flor sou tão mais legal...

Pois é, ando estranhando também esse exercício de vir aqui e falar em primeira pessoa. Pode não parecer, mas sou do tipo reservada. Às vezes, guardo sentimentos e opiniões tão, tão  bem que nem eu mesma sei aonde vão parar. Daí que o que acaba por sobressair é o meu talento para dizer simpaticisses.

O Fina Flor acabou se tornando um exercício muito gostoso de tagarelice despreocupada. Sempre penso nele como minha janelinha para o mundo virtual. Meus posts equivalem aos momentos em que me debruço na janela pra contar para a vizinhaça coisas que vi por aí. Gosto de que seja assim. Só que nesse movimento de abrir a janela acabo deixando  que se veja  um pouco do que está da janela pra dentro. E isso me inquieta.

Tal inquietação não é novidade. Desde sempre, tenho funcionado assim: mantenho a janela aberta ,mas as cortinas permanecem fechadas. Eu sei, eu sei: nasci assim, cresci assim ,mas não é preciso ser assim pra sempre! Mas que me inquieta , inquieta. Na " vida real", já é difícil, imagina quando você se dá conta de quem tem tagarelado na internet. Claro que sei perfeitamente que o alcance do que escrevo é bem restrito, mas mesmo assim fico cabreira. Às vezes, me pego escrevendo pensando nas pessoas que comentam aqui, como se eu ficasse esperando o momento em que vocês passarão perto da minha janela para que eu possa contar uma fofoquinha, um segredo.Mas penso ao mesmo tempo que outras pessoas podem ler.

Falo aqui no Fina sobre as coisas que amo: as pessoas que são tão fundamentais , meu trabalho que me faz feliz, os livros e os filmes que me divertem. Faço aqui uma coisa a que não estou muito habituada: discursar em primeira pessoa. Tagarelar, conversar em filas de banco, comentar a novela das sete ( adoro!) é moleza, difícil é contar coisas minhas, dar opinião firme, não ter medo de ser massacrada só porque disse o que pensa . Já tive tantas crises com isso, porque o que mais ouvi nessa vida é que nunca se pode saber o que de fato se passa na minha cabeça. Pois é, talvez eu tenha aprendido a substituir  a cortina grossa, escura e pesada que exibia quando era adolescente por essa que uso agora - florida, simpática, feliz.

Tenho a impressão de que beiro a superficialidade, tanto na vida quanto aqui. Nos dias  de TPM, considero a possibilidade de usar uma camiseta dizendo: " Só pareço idiota! Juro que não sou!". Claro que isso se limita aos dias em que me pego pensando que essa mania adquirida de " falar, falar e não dizer nada" é uma imbecilidade. Daí fico com inveja das pessoas que são claras, transparentes  de um modo tão fácil. Fico  com inveja dos posts alheios que dizem as coisas em que acredito, as paixões que tenho, mas que não sei compartilhar. Porque , como todo mundo, eu também acho um monte de coisa. A diferença é que tenho medinho de dizer.

Não se preocupem!  Tudo isso que disse de um modo um tanto incoerente já vem sendo revirado e revirado nessa minha cabeça. Acho que até já fiz uns progressos. O Fina Flor talvez seja um dos progressos mais bonitinhos. Dia desses, tava pensando que aqui transformo algumas das coisas que me atravancam a cabeça em diálogo, acenos e palavras legais. Minha janelinha virtual é tão bonitinha, gosto tanto dela e dos que passam diante dela que até me esqueço de cerrar as cortinas de vez em quando.

Nem eu mesma entendi muito bem o que quis dizer, mas tudo bem! Façam cara de paisagem e sigam em frente rumo ao próximo post. J



5 comentários:

simplesmentemonalisa disse...

Ju, eu entendi o que vc quis dizer, pois sou exatamente igual. Mas com o tempo e a experiência aprendi uma coisa importante: não controlamos o que as pessoas pensam ao nosso respeito, e se pararmos pra ficar pensando sobre o que as pessoas pensam sobre nós, paramos de viver. Você é feliz ao seu modo, assim como eu sou feliz ao meu. Eu já tive muito medo de dar opiniões, hoje me libertei desse medo, talvez pela convivência com um colérico que diz tudo o que pensa, sem se preocupar se vai machucar alguém, porque ele é assim e mtas vezes percebo que ele está certo. Mas esse é um exercício constante dizer o que vai no coração não é fácil e nem sempre eu consigo. Sigo assim exercitanto isso a cada dia. Uma vez postei no blog sobre não saber receber críticas, venho trabalhando nisso, parece que eu preciso da aprovação de 100% das pessoas, mesmo sabendo que isso é uma tremenda utopia. Como dizem por aí, nem Jesus agradou a todos, e Ele é Santo, imagina nós pecadores? Não dá, né? Então, sei que não receber esse 100% de aprovação, mas que eu queria, ah como eu queria. Então, vamos trabalhando com a rejeição, mas como trabalhar isso sem se expor? Se escondendo num casulo? É impossível! Eu tentei viver boa parte da minha vida dentro do meu casulo, onde ninguém me alcançava, era rodeada de pessoas o tempo todo, era a ouvinte e conselheira, mas quando eu tinha os meus problemas ninguém podia me ajudar, e não era pq meus amigos ou família não queriam me ajudar, era simplesmente pq eu não deixava eles me ajudarem, eu não deixava que eles entrassem dentro do meu casulo, e quanto sofrimento eu teria poupado se simplesmente tivesse aberto uma janela. Hoje, estou bem diferente, e devo isso ao Cris que entrou no meu casulo e me ajudou a sair de lá, mesmo que as vezes eu ainda queira entrar lá dentro.
Nossa esse comentário ficou gigante, mas é só pra dizer que eu te entendo e por experiência própria, essa janela que vc abriu não feche, esse exercício de escrever o que sente ou suas opiniões é excelente!
Quando vc pensar em quem está nessa janela, lembre-se que sua vida é mto mais do que essa janela aberta, nós vemos o que vc nos mostra, nada mais que isso. Não se grile tanto, e não se cobre tanto. Divirta-se!
Beijoooooooooooooos

Vanessa Carneiro disse...

depois desse comentário da mona fiquei até sem saber o que escrever rsrs
só o que posso te dizer é que te entendo e que não é fácil ser sincera quando de trata de nós mesmas mas isso é algo que se pode aprender.
bjao

Cíntia Mara disse...

Ai, Ju, desencana, vai!
O blog pode te ajudar a abrir essa cortina, mas você pode deixar isso fluir naturalmente, sem se preocupar ;)

Se você se preocupa tanto assim com quem mais pode estar lendo, deixa o blog restrito a apenas algumas pessoas.

Lia disse...

Ju, relaxa!!! Sua Janela é linda mesmo deixe-a aberta e logo, logo... isso irá refletir no seu "real"... bjs

Débora Leite disse...

Me espere na janela que eu to chegando pra gente papear! Adooooro esse seu cantinho e não sei porque, mas você NUNCA me soou superficial. Acho que você tem a mesma capacidade de 'mascarar' que eu (olha nós aí de novo). Na teoria, somos um livro aberto, mas na prática, têm algumas páginas que nem todo mundo consegue ler.
Mas esquenta não, você ta no caminho.
Ao infinito e além, Buzz Lightyear!