segunda-feira, 25 de outubro de 2010

O monstro de olhos verdes

Eu não sou mãe de ninguém. ( Já fui. Eu era mãe do Fred, o Rotweiller que morou aqui em casa por 10 anos. Sim, eu sou do tipo que cria laço de parentescos com cachorros e gatos. Quer dizer, não com todos os cachorros e gatos, porque me recuso a considerar membro da minha família a poodle descontrolada e roedora de sapatos e móveis que minha prima chama de " meu bebê". Sou parente só dos animais educadinhos!)

Bem, antes desses parentêses enormes, eu tava dizendo que não sou mãe de ninguém , portanto não sei como é ser  sogra. Ah, também não sei como é ser nora porque ainda não fui namorada oficial de ninguém.  Mas acompanho as conversas que a minha vó tem com a irmã dela e fico com medo. Juro!

Saca só  o nível: " É engraçado: a mãe dela pode dormir lá na casa deles, passar dias. Eu não posso. Só posso fazer visita. Tá certo que a velha tava doente, mas  quando eu vou pra lá, meu filho sempre vem me dizer que eu não devo me intrometer nos assuntos de casa, que a Fulana não gosta. Mas a Fulana mal sabe lavar um prato. Cê tem que ver os pratos dela! A casa é uma bagunça, um nojo. Ah, e ela nem trabalha, nem pra contribuir com a casa."

Daí que eu não me aguentei e me intrometi: " ah, mas ela deve ter algo de bom, né? Afinal, eles tão juntos há anos."

Resposta: " É que homem é cego!"

Eu, sorrindo toda marota: " Ah, tia, eu acho que a senhora tem  é ciúme!"

Bem, eu não tenho senso de perigo,né?  Se eu não tivesse sacado no olhar da minha tia a intenção de arrancar meu fígado e não tivesse saído rapidinho da sala, talvez vocês não tivessem tomado conhecimento dessa história.

Ufa , escapei!

***

O pior é que eu não tenho moral nenhuma pra chamar quem quer seja de  ciumento. Ah, porque sabem aquela música ( pois é, lá venho eu com as minhas músicas cafonas. Gente, tô numa fase em que só cantarolo as maiores - e mais deliciosas- breguices  inventadas) antiiiiiga: "  Tenho ciúme do sol, das águas do mar/ Tenho ciúme de tudo/ Tenho ciúme até das roupas que tu veeeeeestes" ? Me identifico tanto. Ai, ai!

Tá bom, menos! Bem menos! Perto da minha tia, sou apenas ciumentinha.


P.S.:  O título do post é um referência ao Shakespeare.  Em algum trecho de Otelo, está lá o ciúme sendo chamado de " monstro de olhos verdes". Mas, não, eu não sou  assim tão chique ao ponto de fazer alusões a Shakespeare ( li Otelo há milhões de anos e acho que não lembro de nada). Sabem o que me fez lembrar de " monstros de olhos verdes"? Pollyana. Na verdade, Pollyana Cresce. Cês leram? Ah, era meu livro de cabeceira em 1996! ;)

 Durante anos, não consegui entender por que o capítulo em que Poliana volta pra sua cidade depois de ter passado o inverno na casa da Sra. Carew  e reencontra o seu amiguinho marretinha e ciumento Jimmy se chamava " Jimmy e o monstro de olhos verdes". Eu jurava que tinha algum erro de tradução ali. Tinha que ter. Afinal, Pollyana não era um livro de terror,né?

 ( Ou era e eu nunca percebi? =p)






8 comentários:

Valéria Russo disse...

JU...
SOGRA É QUE NEM PÉ DE FEIJÃO , SÓ DA´LUCRO DEBAIXO DA TERRA....KKKKKKK
PALAVRAS DO BENZUCO.
AH! EU DOREI A HISTÓRIA, É ASSIM MESMO, FAMILIA QUANDO SE ENCONTRA É UÓOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO.
EU LÍ POlIANA QUANDO TINHA DOZE ANOS 1982, AI MEU DEUS, FAZ TEMPOOOOOOOOOOOOOOO
NÃO , NÃO ERA UM LIVRO DE TERROR, ERA MARAVILHOSO....
POLIANA MENINA E POLIANA MOÇA....
VC ME FEZ VOLTAR NO TEMPO...
TENHA UMA SEMANA DE ALEGRIAS E SEM MONSTROS VERDES DO CIUMES....KKKK
BJUIVOS NO CORAÇÃO.
LOBA.

amanda disse...

meu sogro diz que sogra é igual trator: só serve pra trabalhar (tenta ir passear com um trator...)

nessa historia da sua tia eu nem me atrevo a opinar, ciumes de mãe são os mais violentos... hehehe


eu nao sou uma pessoa ciumenta (quer dizer, tenho ciumes de coisas estranhas: autores, filmes, séries, sites, objetos... 0.o) e vou te dizer que qualquer "namoradinho" me cobrava isso. pra muita gente, ciume ainda é sinal de amor, acredita?

Juliana disse...

Amanda, como eu nunca nem vi um trator de perto, então fico com a opinião do seu sogro. kkkk

olha, as mães são sinistras,né? Eu me imagino uma mãe passionalíssima. Eu não sou uma ciumenta descontrolada, faço o tipo que guarda pra si,mas eu tenho ciúme de tudo e todos.

Bem,o que seria ciúme de autor? kkkk Não entendi!!


Valéria, aproveitei pra voltar no tempo tb. Peguei o meu poliana moça e fui dar um relidinha. hehehehe

Essa de "sogra igual a pé de feijão" eu não conhecia. Que horror! kkkkkk

amanda disse...

VOCE NUNCA VIU UM TRATOR?? *caí da cadeira*

hahahaahh eu aqui achando que todo mundo mora na roça né?
trator é barulhento e LERDO. nao passa dos 30 km/h, por isso nao serve pra passear. imagina voce em plena avenida andando com um trator procurando lugar pra estacionar? huauhahau

se bem que hoje em dia tem trator ate com ar condicionado... mas vamos imaginar os tratores de "antigamente" hoho

ciumes de autores é tipo assim: tem um autor que voce super ama e tem aquela pessoa super **POSER** que nao conhece bosta nenhuma e so faz pose mesmo. e voce ama essa autor com o fundo do seu coração. e dai um dia voce ve essa pessoa dizendo que adoooooora que leu que isso que aquilo e acha associações com isso e aquilo e GGGGGGGGRRRRRRRRR MORRE DESGRAÇA!

mais ou menos assim ;D

disse...

Nunca li nenhum dos dois. Sou uma pessoa cult. rs

Cíntia Mara disse...

Queria ler Poliana, agora não quero mais. E se for terror? Do jeito que eu sou medrosa, hahahahahahahahaha.
Eu adoro minha sogra, nunca tive problemas :-P

Juliana disse...

Ler Poliana tb é cult, tá, Fê!!! kkkk

Cuidado com a tia Polly, cíntia

Vanessa Carneiro disse...

kkkkkkkkkkk ri muito da parte da poliana! adorava esse livro quando era pequena.

Não posso reclamar de sogras, só tive uma e quando o filho dela treminou comigo ela ainda brigou foi com ele por causa disso. ^^