domingo, 5 de dezembro de 2010

O taxista zen,a passageira descompensada e os corações insubstituíveis

Ontem o taxista olhou pra mim  sorrindo, depois que eu disse que a Rua do Lavradio ficava no Flamengo e que  estava duas horas atrasada. Ele já devia ter começado a rir desde o momento em que sacudi minha bolsa freneticamente assim que vi o carro dele , porque, afinal, eu estava em frente ao Campo de Santana  e não queria correr riscos de perder meu pouco dinheiro.

- Ei, menina! Fica calma!  Não vale a pena se estressar por pouco. Olha só esse solzão lindo lá fora! Fica tranquila que  vão estar  te esperando.

Respirei fundo ,né? Considerei se valia a pena dizer pra ele que eu não tenho saco pra papo de  " relaxa e goza" ou se deveria mandar que calasse a boca e  dirigisse. Preferi dar voz à bondade que há dentro de mim e ofereci a ele o meu melhor sorriso:

- Eu tô calma! Tenho certeza de que se eu estivesse nervosa, quem estaria dirigindo esse carro seria eu e não o senhor.

Ah, nem vem,né? A pessoa  faz dois anos de tratamento pra ansiedade,passa quase uma hora cantando  todas as músicas da Maria Rita num engarrafamento em pleno sábado à tarde e tem que ouvir sermão? Ahhh, não, moço! Fica calado aí!

Mas ele não ficou, claro!

- Ah, menina, eu não fico nervoso à toa,não. Tenho só um coração e se ele acelerar muito, eu não vou ter outro pra substituir. Você deveria fazer o mesmo que eu. Não dá pra substituir coração,não!

Mal sabe ele que eu ando com um coração-estepe no bolso. 


***

Juro que sou uma pessoa que gosta de tagarelar com desconhecidos, mas por que todo taxista com quem esbarro nessa vida tem que falar, falar, falar e falar?  Já  topei com um que quase acreditou que  André era famoso e nos falou de seu sobrinho "cantador" de pagode,  um outro que ficou falando de toda sua vida afetiva e fez questão de frisar que morava perto da minha casa, um outro que disse que Tiago tava em plena decadência, um outro que quis saber quem eram os moços que tinham esperado que eu entrasse no carro, um outro que  errou o caminho porque não acreditava no GPS e ficou lá enchendo o meu saco com um papo de  que GPS é " máquinas do mal".

Mas o que eu adoro mesmo é a frase " Por que uma moça tá andando de táxi sozinha a essa hora?". É, né, porque   o tempo em que uma mulher precisava estar sempre acompanhada de modo a  não dar motivos para falatórios ainda não passou.

***

Ah, e só pra garantir: esse é um post bem -humorado, viu?

É que ultimamente ando com medo dos efeitos das palavras escritas. Nada a ver com vcs, claro, mas  estou numa fase em que começo e-mails, tuítes, SMS, bilhetinhos na porta da geladeira com  o aviso de que " sou da paz, sou do amor e não fomento brigas virtuais ou reais."

Num entenderam nada,né? 

Xá pra lá! =p

9 comentários:

Borboletas nos Olhos disse...

quem sou eu pra reclamar de post misterioso? porque né?

Os taxistas também me amam. E também viviam me perguntando pra onde eu ia ou de onde eu vinha só, ahahah

Rita disse...

Gente, o que há com esses taxistas, né. É muito falatório. Dou conta não.

Cheshire cat disse...

Hehe, eu normalmente adoro conversar com taxista. Já peguei um que falava alemão e um que fazia show de drag. Mas para aquele momentos de "não me enche" (todo mundo tem, né?) guardo uma frase infalível: o "é complicado". Desligue do que o taxista diz e de vez em quando resmungue um "é complicado."

Júlio César Vanelis disse...

Se a intenção do post era ser mal-humorado, vc não conseguiu Junliana... Eu até cheguei a rir no meio do post... kkkkkk
Se bem que as vezes eu rio da desgraça alheia (não, eu não sou mau, mas é mais forte do que eu)

Um beijo Juliana, até o próximo post...

Cíntia Mara disse...

Aff! Odeio que me mandem ficar calma. Se eu tô nervosa e só tenho um coração o problema é meu e não dele, uai!

disse...

Eu não costumo andar de táxi então não tenho histórias desse tipo. rs

Juliana disse...

Gente, reli o post e até eu fiquei em dúvida se parecia mal- humorado ou não. hehehehe

PAULA ( Cheshire, vc é Paula, não é?, como assim um taxista e drag. Poooxa, esse eu queria conhecer. Taí uma pessoa interessante!

quanto a ignorar o papo de taxista, eu não consigo. Fico me sentindo mal sempre que tento ignorar uma pessoa. Sou uma bocó! kkkk

Fê, eu tb ando pouquíssimo de táxi, mas sempre pego um taxista engraçadinho. Devo atrair as pessoas mais doidas!

beijos, pessoas!

amanda. disse...

Fico me sentindo mal sempre que tento ignorar uma pessoa. Sou uma bocó! kkkk


DA CA UM ABRASSS JU

Juliana disse...

A gente é tudo boco ,amanda! Ignorar dever ser um troço tão fácil, tanta gente faz,né? kkkk