quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Sensível demais

Nos últimos 2 dias, não faço nada além de chorar.

Chorei de os óculos ficarem embaçados, lendo A Última Música. E pior: eu tava no ônibus, presa num engarrafamento e a mulher sentada do meu lado ficava me olhando de esguelha. Desconfio de  que ela estava preocupada com a minha saúde mental, porque, além de chorar, eu suspirava, sacudia a cabeça e ficava limpando os óculos na barra da blusa.

Chorei quando minha encomenda da Saraiva finalmente foi entregue. Não, eu não chorei porque  não vou mais processar a Saraiva. Minhas lágrimas copiosas, meus soluços incontroláveis e minha cara inchada foram todas causadas pelo meu autopresente de Natal. Mal o dvd da sétima temporada de Arquivo X chegou, sentei com meu notebook no quintal e fui assistir a um dos episódios mais bonitos da série.Ninguém além da Amanda deve ter ideia do que eu tô falando, mas dá pra ter uma leve noção do quanto chorei se eu disser que  o negócio envolve crianças desaparecidas, buscas intermináveis, diários escritos por meninas de 14 anos sofredoras e redenção.

Chorei  ao descobrir que os planos de viagem muito bonitinhos que montei sofreram mudanças bruscas. Se antes eu ia gastar uma merreca, agora preciso ficar fazendo cálculos e cálculos pra não  gastar rios de dinheiro ( e eu não tenho nenhuma inteligência estratégica, NENHUMA). Se até duas semanas atrás eu não tinha nenhuma  ideia do que faria no Reveillon, agora tenho duas ou três propostas irrecusáveis e eu quero dizer sim pra todas; o único problema é que não desenvolvi  a habilidade de estar em mais de um lugar ao mesmo tempo.

Chorei lendo os e-mails que meus amigos e eu temos trocado na tentativa de encontrar um dia e um lugar adequados para a entrega do nosso amigo oculto. 

Chorei porque não encontrava meus óculos, porque  minha cabeça tava doendo, porque  não tinha comida pronta quando cheguei em casa.

Chorei quando tava passando na rua e de repente começou a tocar " Someday, when I'm awfully low/ When the world is cold" . Mas não foi choro, choro,não. Meus olhos só lacrimejaram um pouquinho e eu fiquei cantando baixinho no meio da  Central do  Brasil.


 


***


Se eu disser que não sou chorona , vocês nem vão acreditar,né?

Tudo bem! Nem eu acredito!


Como diria meu amigo Tiago, deve ser a lua em gêmeos... =p

8 comentários:

Júlio César Vanelis disse...

Ahhh... Eu sei como é isso, já fui muito chorão. Até hoje, as vezes da vontade de chorar também. Isso é bom, sabia? Extravasa os sentimentos, dá um alívio, acalma.... Eu gostaria de poder chorar mais vezes, ams tenho vergonha e engulo o choro...

Um abraçi, Juliana...

Até o próximo

Cíntia Mara disse...

Chorar lendo A Última Música não só é justificável como é inevitável. AI, Jesus... Quando eu lembro que terminei de ler no horário de almoço, no shopping onde boa parte dos meus colegas de trabalho almoçam... #vergonha

disse...

Eu sim sou chorona. E muito. Vergonha, nós trabalhamos. rs

Amanda disse...

Eh o natal se aproximando! :)

amanda. disse...

eu ainda nao cheguei na setima temporada, mas sim, eu entendo.

no inicio dessa semana, assisti uns da 5 temporada, onde a scully vai passar o natal na casa do irmão e encontra uma suposta sobrinha dela.
CHORO IGUAL BEBE.

Juliana disse...

Ai, Amanda, eu não posso ver esses episódios com a Emily, não!
Eu choro, choro, choro!

Ó, esse q citei explica o que aconteceu com a Samantha! Putz! eu não concordo muito com o final que deram pra ela - da sétima temporada em diante, AX vira uma lambança - ,mas o episódio é tãooooo lindo! aff! Só choro!

Débora Leite disse...

Que situação mais dramática...
Ouvir Michael Bublé e chorar no meio da Central do Brasil é cena de filme, minha cara. É cena de filme!

Juliana disse...

hahahha, muito cena de filme,né?