quarta-feira, 9 de março de 2011

Não vou dar detalhes  do carnaval, não vou, porque o André lê este blog e eu não serei capaz de dizer " Ah, apesar de tudo foi bem legal", quando ele disser " Juliana, não sei por que você se mete nessas roubadas". Não , dessa vez, André, te pouparei do " ela é a pessoa mais chata do universo, mas tem um bom coração". Pois é, minha gente, como boa pessoa pseudofofa, carrego uma culpinha que me impede de odiar solenemente pessoas que merecem ser odiadas, fugir de situações que não deveriam fazer parte da minha vida e ponto.

Minha culpinha de estimação me levou prum fim do mundo, me fez ouvir discursos que nunca foram os meus ( apesar de eu ter querido adotá-los tantas vezes só pra me sentir pertencendo),me fez fechar os olhos à noite e perceber que não, não dá pra forçar a barra.

Um dia, a gente cresce e é isso. Crescer, querendo ou não, exige posicionamento, escolhas; crescer exige  que se coloque fim no jogo de espelhamento que só te fez a vida inteira agir  como se fosse um pecado, um crime, uma afronta ser quem você é. E eu passei tanto tempo pensando " puxa, mas eu, que sou tão boazinha, fofa,  comportada, não basto, não sirvo?" É que eu não sabia, não queria perceber, minha carência de afetos não deixava ver  e  a menininha que fui não queria por nada admitir que pessoas doloridas usam de agressão delicada, de deboche suave, crítica carinhosa porque essas são as únicas formas de lidar com o mundo que conhecem. Pessoas doloridas podem passar toda uma vida sofrendo, escamoteando as angústias mal-resolvidas com piadinhas ofensivas e porres lúdicos. E elas nem fazem por mal.

Mas a gente cansa. Andar pela vida assim doendo tanto é como puxar uma tonelada de cimento numa carroça de madeira; sentir culpa por lidar com suas dores de outra forma também.


Cansei.

7 comentários:

Cíntia Mara disse...

Sabe, Ju, eu queria não ter entendido nada do que você escreveu. Mas pior é que eu entendi cada e sei como você se sente. Posso até imaginar o que aconteceu :/

Palavras Vagabundas disse...

Ju, apesar da roubada deu pelo menos para descansar?
Meio atrasado mas, feliz Dia da Mulher.
bjs
JUssara

Lívia disse...

ah, menina...

entendo bem o que vc diz...!

Lia disse...

Ai Ju, desculpe... mas agora que tenho a imagem e o som da voz de André.... me deu vontade de rir ao pensar nele falando: "Juliana, não sei por que você se mete nessas roubadas". kkkk

Mas entendo perfeitamente o pq dessa escolha... eu mesmo me meto nestas furadas...

"Um dia a gente cresce"... espero que eu cresça logo, logo...

bjs

Rita disse...

Passei por aqui pra dizer que amei o termo "pseudofofa" e que VOU USAR.

Tá registrado?

Bj
Rita

Juju Balangandan disse...

Xará, estou na mesma fase e adorei sua definição de botar fim ao jogo de autoespelhamento. Mas ainda me dói as tais pessoas doloridas que ainda insisto em tentar conviver.

Ótimo texto. Beijocas

Juju Balangandan disse...

Xará, estou na mesma fase e adorei sua definição de botar fim ao jogo de autoespelhamento. Mas ainda me dói as tais pessoas doloridas que ainda insisto em tentar conviver.

Ótimo texto. Beijocas