sábado, 12 de março de 2011

Vasto mundo

Ontem passei o dia todo desligada do mundo, dividida entre o trabalho e a preocupação com a dor de ouvido que tem deixado Spock lamuriento. Sem tevê e sem internet,  meu quarto era todo o universo. Daí que ligo a tevê e putz... aquela água toda, muita água, navios sendo arrastados como se fossem bolinhas de papel. As tragédias acontecem desde sempre, eu sei, mas não me acostumo com elas. E agora ainda temos o requinte das imagens surgindo na tevê quase em tempo real. Desculpem a pieguice,mas não me acostumo. Não me interessa se é o fim do mundo ou apenas a Terra fazendo seus ajustes, se aqui pertinho de mim um monte de água também fez a usa própria listinha de mortes anônimas; meu coração afunda porque debaixo de tanta água há gente feito eu.

A natureza tem esse poder de nos mostrar  as verdadeiras dimensões das coisas, né? O mundo é muito , muito maior que nosso universo particular. Ora maravilhosamente maior, ora assustadoramente gigante.

2 comentários:

mila disse...

acho bonito quem ainda se comove, quem não deixou de ser humano... eu ando anestesiada ha mto tempo. A tragedia da regiao serrana me tocou pq tenho familia, mas essa do Japao nem tenho acompanhado não...

Palavras Vagabundas disse...

JU,
a natureza quando mostra sua força nos deixa tão pequenininha!
bjs
Jussara