terça-feira, 31 de maio de 2011

Estive pensando no que eu poderia escrever sobre a visita que fiz ao meu primo no hospital. Sabe o que é não ter o que dizer? Então, nada do que eu disser pode dar conta do sentimento que te invade quando alguém que te conhece há 27 anos, te olha com aquela cara  de " Te conheço de algum lugar". Não tenho o que dizer.


Ah, tenho sim. Só uma coisinha: PELA AMOR DE DEUS, usem capacete. Moto não é  velocípede.

domingo, 29 de maio de 2011

Meu coração, que esteve apertado, agora está quente. Não sei se foram  os sons das risadas, muitas risadas, tantas e tão distintas, tantas e tão fáceis. Não sei se foram os abraços que amaciam o peito ou os olhares atentos que adivinham o que nem vai ser dito.

Não precisei  e nem quis dizer: " ó, gente, venham aqui aliviar um pouco essa tristeza". Nunca é preciso. A gente se achega, se mistura, mesmo espalhados. A gente fala, fala e tudo fica fácil.

A vida deveria ser bolo de aniversário e papo nerd na cozinha.

A vida deveria ser mão suja de pipoca, travesseiro da Nasa apoiado nas costas, palpites honestos, piadas internas, baixarias elegantes, segredos de menina.

A vida deveria ser carta aberta publicada em blogs.

A vida deveria ser essa leveza que vem deles e delas ( os que vi hoje e os que não vejo faz tempo). Leveza que... ah, L-E-V-E-Z-A.

As coisas são mais lindas quando elas e eles estão.

sábado, 28 de maio de 2011

Sabem aqueles filmes de professor que vai pra uma escola complicada? Sabem aquela cena em que o cara se pergunta o que tá fazendo naquela sala de aula? Sabem aquela sensação de falência, impotência e tristeza que aparece na cara do ator ( se ele for capaz de mover os músculos do rosto, claro)? Então,já me senti numa dessas cenas. E não teve final feliz. Mudei de escola no fim do ano, e até hoje morro de medo de ir parar numa escola igualzinha àquela em que trabalhei por 6 meses em 2009.

As lembranças que guardei se resumem aos torpedos que a Jaqueline me mandava quase sempre, me dizendo que eu ia dar um jeito de fazer o meu trabalho, a uma menina que trouxe Bisa Bia Bia Bel pra eu ler porque ela achava que a professora de português tinha que ler esse livro ( ela tem razão. TODO MUNDO tem que ler), a uma  menina que  disse que eu a inspirava ( ela não usou a palavra com o sentido correto, mas eu entendi o que ela quis dizer) e só.

Vou rever agora dois filmes americanos sobre escolas complicadas e professores incríveis. Às vezes, acho que esses filmes são um desserviço. Sempre me sinto uma imbecil depois de vê-los, porque eu não sou uma estrela de Hollywood e nem tenho talento pra salvar a pátria. Às vezes, acho que são filmes lindos e inspiradores. Nunca me decido...

Vou lá rever " Escritores da Liberdade" e " Sociedade dos Poetas Mortos".

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Noite boa

pastel de calabresa;
 conversa fiada;
 ideia boa;
" Se você for, eu vou também";
 fotos bonitas de gente sorridente;
leveza.

quarta-feira, 25 de maio de 2011

Denotação, conotação

Você é daquelas pessoas concretas: pulgas atrás da orelha provocam coceirinha, corações gelados derretem, corações peludos causam aflição, barriga cheia explode, bunda mole balança.

Mas , aí chega aquela hora em que  o que não tem nome precisa ser nomeado e lá vem você com as metáforas e as metonímias. É porque tem uma caixinha dentro de uma caixinha,   tem um cadeado que abre um castelo, tem uma poça pequena prum pé gigante, tem uma casa e suas varandas, tem o tanque de guerra que nunca amassa.

E , de repente, quando você tá lá dizendo que nada disso tem o menor sentido, que tá cansada de abstrações nonsenses, descobre que encontrou a caixinha mais escondida e que finalmente vai descobrir que  já não tem tanto medo do que está dentro dela. A caixinha não tem superpoderes, e nada dói para sempre.


p.s.:  post sem pé nem cabeça , eu sei.  É só um post pra registro mesmo. Em breve, o blog volta à sua programação normal. =p

Bom dia procês também!



How about love, hein?

terça-feira, 24 de maio de 2011

Livros, ai, livros...

A Rita propôs e eu, obviamente, topei.

Vamu lá!

( Ai, já antevejo uma crise, porque em 22 anos de vida de leitora, li muito, muito pouco. Acho que vou ali picar o meu diploma... Enfim... Ai, ai, drama! =p)


1 — Existe um livro que lerias e relerias várias vezes?

Não só existe, como  já reli vezes sem fim. Na verdade, existem porque estão aqui na minha estante uns livros que me fazem falta. Sério! De vez em quando, dá vontade  incontrolável de lê-los, igualzinho a gente tem vontade de beber água ou fazer xixi: 

- A Vida antes do Homem, Olho de Gato e O Conto da Aia,  os três da Margaret Atwood. Nunca falei deles por aqui,né? É que adoro tanto a Margaret, sou tão louca pelas personagens dela  que um post sobre eles seria cheio de " lindo" , " pefeito", " chorei tanto". Faz muito tempo que não pego nenhum desses livros, mas já houve épocas em que Lesje ( uma das personagens de A Vida antes do Homem) era a minha melhor amiga.A Margaret é uma dessas escritoras fodonas que ganham rios de prêmios, que são leitura obrigatória em faculdade de Letras, mas eu a descobri quando tava no Ensino Médio e  durante um tempão,achei  que só eu conhecia. 

-Peças em Fuga, da Annie Michaels; Punição para a Inocência, da Agatha Christie; A Trégua, do Mario Benedetti; Canção do Mar,do Pat Conroy; Amor de Perdição, do Camilo Castelo Branco; A Descoberta do Mundo, da Clarice Lispector.

Eu releria O Evangelho Segundo Jesus Cristo  e O Ano da Morte de Ricardo Reis, ambos do meu querido Saramago, se eles estivessem  na minha estante.

2 — Existe algum livro que começaste a ler, paraste, recomeçaste, tentaste e tentaste e nunca conseguiste ler até ao fim?

Ah, vááááários! Seria uma vergonha se eu fizesse as contas dos livros que  abandonei. Se bem que  acho que ainda vou conseguir terminar alguns deles. É o caso de Crime e Castigo. Tentei ler assim que entrei na faculdade e não dei conta, mas hoje mesmo dei uma olhada no exemplar da biblioteca da escola e pensei que tá na hora de ler até  o fim.
Ah, mas tem alguns que tenho certeza de que jamais lerei  tudinho: Ulysses ( tá aqui na estante só porque toda estante tem que ter), Mrs. Dalloway ( me ensinem a fórmula pra ter saco pra Virginia Woolf. Também tentei Passeio ao Farol. Tentei, mas não deu.) e Memórias Póstumas de Brás Cubas ( Sim, eu sei que deveria assumir as grandes responsabilidades que um diploma de Letras acarreta, mas, desculpem aê, Machado não dá! Ah, antes que um levante se arme contra mim, deixo claro que entendo porque o cara é um gênio, só NÃO CONSIGO LER.  Bloqueio, trauma, má vontade, chamem do que quiserem.Ai, será que uns anos de terapia resolvem? Só se Freud levantar do túmulo... =p)

3- Se escolhesses um livro para ler para o resto da tua vida, qual seria ele?

Resto da vida é muito tempo ( espero que seja, né?), então vou apontar o livro que atualmente tem sido aquele que me arranca suspiros, que me encanta, que ai... Nas Tuas Mãos, da Inês Pedrosa. 

Eu sei vocês vão entrar no submarino AGORA e encomendar um exemplar, porque já tá ficando chato me " ouvir falar" desse livro. Bem, acho que é uma excelente ideia, e sugiro que comprem na Travessa (entregam rapidinho). Juro que não ganho cem reais cada vez que escrevo o título desse livro no blog. Acreditem!

4 — Que livro gostarias de ter lido mas que, por algum motivo, nunca leste?

Grande Sertão: Veredas, do Guimarães Rosa. Ainda vou ler, eu tenho certeza. 
Morro dos Ventos Uivantes, da Emily Bronté. Tá aqui bem na minha frente,mas ainda não tomei vergonha. Há séculos venho querendo ler esse livro.

5- Que livro leste cuja ‘cena final’ jamais conseguiste esquecer?

O momento em que Jesus perde perdão na cruz, em O Evangelho segundo Jesus Cristo. O livro todo desafia o cânone cristão e as tradições em que o Ocidente se alicerça, mas nada me chocou, comoveu, espantou , ficou martelando na minha cabeça  tanto quanto o pedido de perdão de Jesus pouco antes de morrer. Não vou contar quais as foram as palavras que ele usou porque não tem graça saber antes de ler todo o livro, mas vou avisando que se deve esquecer o que Jesus diz na Bíblia. Na verdade, se for pra ler o livro pensando em refutar tudo, é melhor nem começar. Já nas primeiras páginas dá pra saber se é um livro que você conseguirá ler até o final.

Ah, esqueci de dizer que não lembro se essa é a cena final. Bem, tá bem no finalzinho do livro. hehe

6– Tinhas o hábito de ler quando eras criança? Se lias, qual era o tipo de leitura?

Sim, sim. Eu lia o que tinha ao alcance das mãos: os livros paradidáticos da escola, aquelas coleções Sabrina e Julia, muita Agatha Christie ( hoje não gosto tanto, mas houve um tempo em que eu pretendia escrever romances de mistério e e assinar com o pseudônimo Clarissa Miller, formado pelos nomes do meio da Dama do Crime), Sidney Sheldon, Coleção Vagalume, Daniele Steel. O que tava de bobeira aqui em casa ou nas casa dos outros, eu traçava. Quando fui ficando mais velha, descobri que sebos era lugares legais, onde os livros custavam muito barato. Muitos reais das minhas mesadas foram gastos em livros empoeirados.

7-Qual o livro que achaste chato e mesmo assim leste até o fim? Por quê?

O Primo Basílio e A Cidade e as Serras, do Eça de Queirós; Viagens na minha Terra, do Almeida Garrett; Lucíola, do José de Alencar; Jangada de Pedra, do Saramago.

Por que li? Ossos do ofício.

8- Indica alguns dos teus livros preferidos.

Tem Margaret Atwood, Inês Pedrosa, Saramago na capa? Leia! Mesmo quando  ruim é bom. Sacou?

Ando apaixonada pelo Stephen King. Dá medo,  dá frio na espinha, dá vontade de parar o relógio pra que se possa ler tudo de uma vez, dá comichão de encontrar agora todos os livros que eles escreveu. Minha única ressalva é o modo como as mulheres são retratadas nas histórias. Só li dois livros da imensa obra do cara e me parece que  o Stephen não sabe que somos mais que anjos de candura ou estradas pra perdição. Enfim...

Eu acho que todo mundo deveria ler algum livro da Lygia e da Clarice. Não dá pra passar pela vida sem ler  Perto do Coração Selvagem.
Ai, tem que ler Vidas Secas e São Bernardo , do Graciliano. Tem que ler Graham Greene, Gabriel Garcia Marquez ( Doze Contos Peregrinos é uma delícia), Cortázar, Borges, Camilo Castelo Branco ( eu amoooo Amor de Perdição, tá?). Tem que ler Morangos Mofados, do Caio Fernando Abreu. 

Tem que ler Um Amor pra Recordar,  todos do Harry Potter, os diários da Bridget Jones.

 Foram  os que consegui lembrar.

9- Que livro estás a ler neste momento?

Echo Park, do Michael Conelly. Policial dos bons! 


10- Indica dez amigos para o Meme Literário.


Não sei se  gostam de memes, pessoal, mas adoraria saber quais seriam as respostas de vocês.

O último biscoito do pacote

Então, nesse fim de semana, fui passar frio ali  em São Paulo. Mentira! Nem tava um frio tão sobrenatural assim. Eu acho que os paulistanos se agasalham além do necessário, mas quem sou eu, pra falar do frio alheio,né?

Daí que eu fiquei na casa de uma amiga que não tem nada na geladeira a não ser água, iogurte de ameixa ( eca!), cookies ( lamento, mas doce não é a minha praia) e lasanha. Na sexta- feira, até comi uma lasanha de quatro queijos no café da manhã. Poxa, realizei meu sonho de infância. Minha mãe nunca me deixou comer batata frita, pizza, torta salgada e lasanha antes das 10h. O bom de ser adulto é isso: poder comer lasanha de manhã cedo na companhia não muito agradável da Ana Maria Braga. Até as rugas compensam tamanha liberdade.

Mas a vida de comedora de lasanha cansa, então  minha amiga  me levou pra comer pão na chapa na padaria   e eu aproveitei pra descolar uma coisinha pra  comer em casa quando batesse uma fominha fora de hora. Daí que falei assim: " Ué, não tô vendo biscoito ' cremi craqui' " !

Minha amiga me olhou como se eu estivesse falando chinês, e eu repeti : " Aquele quadradinho,  salgado, que vem num pacote."

" Você quer dizer bolacha de água e sal?"

Aí veio o moço da padaria e me deu um pacote de biscoito cream cracker, exatamente como eu queria , e eu aproveitei pra mostrar pra minha amiga que eu não sou maluca, que aquilo  é BIS- COI- TO. Tá escrito no pacote " biscoito salgado"! Soletrem comigo: B-I-S-C-O-I-T-O.

Conselho do dia:  no Rio de Janeiro, evite chegar na padaria e dizer " eu quero uma bolacha". Vai por mim!


P.S. 1:  Que fique bem claro: na casa minha amiga não tem comida, mas tem o melhor cobertor do universo, uns gatos bem simpáticos, um urso gigante e um carro que me levou prum monte de lugar legal.  Minha anfitriã merece o selo " excelente anfitriã 2011", oferecido pelo Instituto das Pessoas que não Podem Pagar Hotel.

P.S.2: Que fique bem claro também: variação linguística é a coisa mais linda desse mundo. Amém!









quarta-feira, 18 de maio de 2011

maio, 18

Devo estar num universo paralelo:

aluno chato pediu mais exercício, aluna escandalosa mas legal pediu um poema,  aluna não sossega enquanto não entende o valor semântico de " apesar de ", alunos  não " fugiram" apesar dos meus 20 min de atraso, aluno perguntou se vai ter filme nesse semestre, aluno comentou o filme que passei em outubro do ano passado, aluna diz comprou o filme que eu passei em outubro, alunos sentam em grupo com o objetivo de descobrir os melhores adjetivos que substituem as orações adjetivas apresentadas.

Na outra turma,

aluno muito chato lê interessado um texto que fala da proliferação dos ratos no início do século XIX, alunos agitados se descobrem criando um roteiro aterrorizante sobre a revolta dos ratos contra os humanos, aluna que nunca fala solta uma gargalhada gigante,  a outra aluna que nunca fala tece teorias a respeito da diferença de temperamento entre cariocas e catarinenses, os testes renderam boas notas e todo mundo soube justificar os erros cometidos.

( ah, e eu calculei as notas direitinho! Nenhuma alteração precisou ser feita.)

***


- Ah, mas eu faço, eu pego, eu compro, eu acho, eu acerto, eu descubro, eu arranjo, eu me viro, eu tento, eu aperto, eu puxo, eu arranco, eu subo, eu entrego, eu vou, eu estico, eu calculo, eu embarco, eu decido, eu controlo, eu cuido.

- Pois é, você cuida de tudo; e o que sobra pra você?

Não foram exatamente essas palavras, mas ficou a dica.

" Dançando e cantando com a boca aberta"

Ontem eu tava esquisita. Nossa, se vocês me vissem por aí, andando na rua, pensariam: " Nossa, a Juliana tá esquisita". Minha explicação para o mais alto nível de macambuzice? Maio ainda não acabou. ( Me deixa crer no poder aterrorizante do calendário sobre minha vida , ok?)

Mas, então, ontem tive que fazer o maior esforço do mundo pra sair de casa, nesse frio horripilante ( Rio de Janeiro +19 graus  = horripilante), e  ir pro trabalho. Eu acho um saco ter que lidar com alunos quando não tô no melhor dos meus dias. Imaginem-se num dia ruim, com dor de cabeça, se sentindo a penúltima moedinha de 5 centavos no fundo da gaveta e ainda asssim ter que falar na frente de um monte de gente. Não é divertido.

Enfim, mas dias horripilantemente frios e um tanto macambúzios podem ser salvos por aquele aluno de quem você nem gosta tanto.Acontece! Ontem, um aluno chaaaato tava conversando com um outro sobre o sobrinho da namorada, enquanto eu escrevia no quadro. ( Sim, escrever no quadro é uma chatice, então eu presto atenção nas conversas alheias). De repente, aquele marmanjo, de voz grossa, sempre marrento, começa a cantar numa altura que ele acha que não dá pra ser ouvida esta música :



Foi difícil parar de rir.

A turma riu tanto.

Eu ri tanto.

Provavelmente, vocês não acharam a menor graça, mas salvou o meu dia e até me lembrei de uma outra chuva.

P.S.: Esqueci de dizer que tinha até coreografia.

segunda-feira, 16 de maio de 2011

Às vezes, o livro é tão tão bonito, tão tão triste e  você tá tão apaixonada por ele que , quando a personagem diz que não tem amigo nenhum nesse mundo, você quase diz : " Tem sim! Ô eu aqui!".

É uma pena que ela não possa ouvir, né?

domingo, 15 de maio de 2011

Momento ex-aluna

Gente, aprende comigo: se você tá lá no restaurante, sendo muito chique tomando vinho na taça e, de repente, se der conta de que o cara na mesa ao lado é o seu ex- professor do Ensino Médio, não vá falar com ele, ok? Pois é, quando olhei pro lado e vi o cara que me deu aula há dez anos dando beijinhos ultrarromânticos na mão da  mesma esposa que ele tinha em 2001, me lembrei de que foi ele que disse, lá no início da década 00, que aluno acha que professor não é gente e vive no planeta do professor. 

Planeta do professor, entendeu? Um lugar onde só tem livros e dicionários pesados, notebooks que nunca entram no facebook e todos andam de jaleco e caneta pilot na mão. Os professores vivem assim: da escola pro planeta , do planeta pra escola. 

Bem, embora eu nunca tenha descoberto a localização desse planeta, ainda fico toda rebuliçada quando esbarro em antigos professores, e só não liguei pra Jaqueline que também foi aluna dele porque  tenho bom senso, né? (Mentira!Eu achei que ela estaria dormindo). Mas botei reparo em tudo: ele tá mais barrigudo, tem uns cabelos brancos que  nunca tinha visto, tava bem engomadinho, mas ainda tem a mesma cara de 2001 e  é casado com a mesma pessoa de quem ele vivia falando.

Ex-professores são meio ... ah, conservam aquela aura de ... ah, sei lá, vocês ainda me entenderam. 
( Entenderam?) Ainda mais ex-professores que a gente a- do- ra- va e que beijam a mão das esposas.


Ai, Deus! Todas as minhas rugas sumiram e eu voltei a ter 17 anos, né?

Não me recriminem! =p

Unfollow nela

É o que eu digo: posto o vídeo do Belo e perco um seguidor no blog.

Ô, dó! =p

sábado, 14 de maio de 2011

Ontem ao luar

Minha mãe está agora em Conservatória, uma cidade que fica a umas 2h do Rio, num famoso festival de serestas. Ela foi ano passado, voltou caída de paixão e decidida a me convencer de que seresta é o melhor programa do universo. Não conseguiu  me convencer obviamente, tanto que estou aqui, embaixo do edredon, e e ela está lá no festival.

Mas dei o braço a torcer só um pouquinho e acabei achando esse vídeo:






Não é que achei bonito? Prestem atenção na letra só.

P.S.: Não contem pra minha mãe que gostei, viu? =p

Guilty Pleasure

Afirmar por aí que gosto das músicas do Belo e que até já fui a um show dele sempre causa uma comoção. Vai entender por que, mas tudo bem.

Não, Belo não é galã. Não, eu não tenho um pôster dele no quarto. Não, não adoraria estar no lugar da Graciane Barbosa. Mas eu adoro quase todas músicas do Belo  e sou louca por essa daqui:






sexta-feira, 13 de maio de 2011

quarta-feira, 11 de maio de 2011

Vamos dançar aê!

Às vezes, leio os posts desse blog e  fico desconfiada de que  devo parecer a pessoa mais macambúzia do mundo. Pois bem, preciso mudar essa percepção tão lúgubre já. Além de choramingar dia e noite e arrastar as correntes da melancolia por aí, eu também danço e faço uns bicos de coreógrafa. Cês num sabiam?!

Tem dias em que finjo estar trabalhando trancada no quarto, mas o que eu tô mesmo é me apresentando pro meu grande público imaginário, que vem à minha plateia imaginária só pra me ver dando espetáculos de canto, dança e estrelismo.

Minha mais nova performance acontece ao som dessa delííííícia:








Mika, seu lindo! Amanda, valeu por me apresentar  esse moço.

terça-feira, 10 de maio de 2011

Linhas Aéreas Fina Flor

Esse blog é mágico, sabiam? Tudo que falo aqui acontece, portanto anuncio que, em breve, muito em breve mesmo, comprarei um avião.

É, cansei dessa vida de ficar dependendo da boa vontade da Gol, da Tam, da Avianca pra conseguir uma   promoção. Cansei de manter a esperança de que no período da minha viagem as passagens estarão com um precinho supimpa. Cansei de entrar todo santo dia nesses viajar. com da vida e fazer 55 simulações de data e horário de ida e volta. Cansei de cogitar sair de casa antes que o sol raie pra embarcar naquele voo que sai do aeroporto mais  mal - localizado de todo o continente ( Dica: o nome do aeroporto começa com G e termina com ALEÃO). Ops, eu já fiz isso uma vez!

Bem, mas é isso, vou comprar o meu avião logo, logo. 

Ah, já vou avisando que os leitores que mais comentarem nos meses de maio e de junho terão o privilégio de pegar o meu avião emprestado durante 15 dias, pra viajar pra onde quiserem. Deixo claro que o combustível e o salário do piloto ficam por conta de vocês, ok?

P.S.: Em junho, vou ficar mais velha. Não me importo de ganhar um helicóptero de presente de aniversário. Um helicóptero já me faria bem feliz.
Só eu tô achando que o dia de hoje seria bem melhor se não houvesse mais ninguém no mundo além de mim?

Seria perfeito. Seria lindo. Seria o ideal.

domingo, 8 de maio de 2011

Inefável

Tem alguma coisa a ver com perdão e gentileza. Tem a ver com cabelo molhado, pé descalço, livro enorme de que você gosta. Tem a ver com você e não com os outros.

Tem a ver com melancolia, tantas vezes. Melancolia é bonito, melancolia é uma palavra doce e engraçada que parece fazer círculos dentro da boca, entre  o céu e a língua, antes de sair. Melancolia é aquilo que pressiona o tampo da cabeça sem mais nem menos, de repente, e te faz engraçada aos olhos de quem não sabe como é ser ao sabor das marés.

Tem a ver com uma palavra dita casualmente. Tem a ver com o que desperta em algum canto do cérebro e te invade totalmente, como uma onda do mar que vem e te derruba. É como estar girando dentro da onda, é como não saber o que dizer porque não se lembra de nada além do que não foi dito.


Tem a ver com boca meio seca, meio encharcada. Tem  a ver com zumbido no ouvido, com coração apertado, com cabeça que não para quieta, com pensamento que vai mais rápido do  que se pretende - pensamento que salta e escapa como a próxima cena de um sonho que nunca chega.

É mais bonito que solidão, é mais fácil que tristeza, é mais estranho que amor.

Tem a ver, mas não é. Só tem a ver.

Mamãe querida

Dia das mães, né?

Depois que deixei de ser uma adolescente tardia e quase não culpo minha mãe por todas as desgraças da minha vida, posso pensar com clareza e listar as coisas boas que advêm do fato de eu ser filha de quem  sou.Minha mãe me amamentou,  pagou todas as minhas despesas por mais de 20 anos, não deixou que  nenhuma doença me matasse. Ótimo, beleza! Mas sou particularmente grata porque:

1- ela me ensinou , na base do exemplo, que ler qualquer coisa ( inclusive bula de remédio e encarte de supermercados) é o melhor modo de se passar o tempo. Sempre houve um livro largado em algum canto da casa, que eu lia enquanto ela não chegava do trabalho. Sidney Sheldon e Agatha Christie foram devorados por mim e por ela, ao mesmo tempo, nesse esquema. Agora sou eu que  digo: " ó, acho que você vai gostar desse!".

2- com a minha mãe, aprendi também que cultura pop é fundamental. Se uma pessoa não sabe quem é James T. Kirk ou Han Solo ou que o médico gato de Lost fez O Quinteto, há algo de muito errado com o cérebro dela. Só com a minha mãe compartilho meus boxes de Arquivo X. Só não consigo fazer com que ela entenda que Friends é muito engraçado!

3-minha mãe também me apresentou à Clara Nunes, à Jovelina Pérola Negra, a Fred Mercury, a um sem- fim de músicas lindas que nem sei quem canta, mas que tão aqui no meu inconsciente. Aprendi, sobretudo, que posso ser um grande ídolo da música enquanto a água cai do chuveiro na minha cabeça.

4- só minha mãe sabia o ponto certo da farinha láctea ( tinha que ser bem aguadinha. Ah, saudade de farinha láctea!) ou a quantidade de vezes que o leite precisava ser passado de um copo pro outro até ganhar espuminha. Só ela sabe fazer pudim sem calda e sem  gosto de açúcar, só ela sabe qual a única marca de gelatina que não tem gosto de geleia caramelizada.

5- ah, minha mãe me ensinou também que lâmpadas não  explodem nas mãos femininas, que encanamentos podem ser facilmente desentupidos, que carrinho de feira serve pra aliviar o peso das sacolas, que botijões de gás podem ser trocados no meio da madrugada, que ônibus te levam pra qualquer lugar que você quiser, que vidros de palmito abrem mais fácil se a gente fizer um furo na tampa, que saber os nomes das ferramentas não tem nada ver com ser mais ou menos mulher.


Minha mãe não é incrível.  Ela e eu somos muito diferentes - ou muito parecidas, vai saber - ,  então nossa relação nunca foi estilo Gilmore Girls, mas eu fico feliz por saber que ela fez o melhor que ela pôde sempre. Não foi perfeita, cometeu um monte de erros, mas fez o que deu, o que estava ao seu alcance. 

E eu admiro gente assim.


P.S.: Acho Dia das Mães meio desnecessário, mas já que existe, vamos lá:  mães queridas, parabéns procês! Admiro demais quem decide bancar a tarefa de ser responsável por alguém. 

sábado, 7 de maio de 2011

O grito

Dou uma pausa rápida na leitura do Stephen King, pra ir ao banheiro e beber água.  Antes , porém, passo no quarto pra olhar a hora, quando de repente um gato sai de baixo da cama e passa varado por mim.

Minha reação imediata? GRITAR!

 Igualzinho à personagem do livro.

Moral da história: leia TODOS os livros do Stephen ( não li todos, mas os que li...), mas nunca faça isso quando não houver gente em casa. Ou tranque bem as janelas para que o gato do vizinha não te mate do coração.

Ah, leia  enquanto ainda houver luz do sol. Vai por mim!

quinta-feira, 5 de maio de 2011

Cada uma...

Ah, preciso contar. Preciso. Mas se você tem estômago fraco , não leia.


Távamos vendo as fotos da filha de uma ex- vizinha. A mulher e  a garota foram morar em outro estado, mas apareceram por aqui, para uma visita. Enquanto minha tia e ela conversavam na sala, minha prima, uma amiga nossa e eu víamos as fotos, tecendo aqueles comentários " salutares" acerca do novo namorado da moça. 
( Ah, gente, o moço , desculpem, é meio ... er... digamos... ah, ele é feiooooso por demais, prontofalei!).

Foto vai, foto vem, de repente, aparece uma borrão de sangue, um monte de gosma branca e ... Não sei o que mais tinha na foto  porque fechei os olhos e fiquei berrando. Mais corajosa, minha prima viu as fotos seguintes e eu só ouvia os gritinhos dela.Daí que fomos perguntar pra nossa ex- vizinha o que era aquela nojeirada toda e eis a resposta:

" Ah, são os meus bebês! Eu pedi que tirassem foto dos meus miomas depois da cirurgia ( ela extraiu o útero). Todo mundo se espanta com as fotos. Eu rio muito. Boto aí de propósito, pra todo mundo ver os meus bebês."

Medo, meu povo! Muito medo!

Que tipo de pessoa pede que tirem foto do útero extraído e ainda as coloca no meio das fotos da filha? Que tipo de pessoa? Ai, Ai!

Minha mãe achou muito engraçado, eu tô com medo até agora.

E rindo sem parar também.

" Esquece e vem! "

quarta-feira, 4 de maio de 2011

Riqueza

E  hoje a minha psicóloga - aquela pessoa engomadinha, cujo cabelo não sai do lugar e a voz sempre ressoa macia - me disse:
- Você não fala do seu trabalho...
Pensei, pensei e saiu assim:
- É que meu trabalho não é problema. Ultimamente, tenho ganhado dinheiro de um modo  feliz!

Ah, em vez de me debulhar em lágrimas como sempre, eu até sorri.


Para aqueles que possam vir aqui com o intuito de clonar meu cartão do banco e invadir minha conta corrente, aviso que meu dinheiro é feliz, mas é pouco, viu? =p

Tudo é relativo

Paulo Victor pergunta:
- Ju, quantos anos você tem?
Pra quem não se lembra, PV tem 5 anos de idade.
- Quantos anos você acha que eu tenho?
Ele pensa, pensa  e diz:
- 10!


***
L., aquela aluna do protetor solar no ar- condicionado, pergunta:
- Quantos anos a senhora tem?
- 26.
Cara de decepção total.
- Eu pensei que a senhora tivesse 36, mas tivesse conservada, aí parece que tem menos.




Só um adendo: Paulo Victor disse que , quando ele fizer 7 anos,  vai ser adulto e vai poder fazer TUDO o que ele quiser.

Nada a  declarar. Pra variar.

terça-feira, 3 de maio de 2011

Maio, te odeio!

Sou carente. Sou mimada. Mandem litros e litros de suco de morango ao leite pra minha casa, favor. Se possível, agora!

Se já sou chata o tempo todo, a chatice se intensifica em maio. Basta abril terminar, pra que eu me sinta a criatura mais abandonada, triste, nunca - ninguém - me - dá- afeto- de - verdade de todo o universo existente. E, claro, não há nenhuma  razão pra tanto sofrimento emocional, mas eu sofro, eu sofro  muito e me sinto cinza. Tô aqui ganhando dinheiro pra fazer as coisas que mais amo, tô aqui  comendo pizza de alho boa, tô aqui conseguindo fazer com que os alunos calem a boca e me ouçam, tô aqui lendo livro de terror dos bons, tô aqui tendo ideias mirabolantes ( que precisarão ser minimizadas porque minhas colegas e eu somos megalomaníacas) envolvendo Egito Antigo e colegas de trabalho empolgados, tô aqui com as minhas pantufas quentinhas, tô aqui respirando decente e saudavelmente. Mas eu só penso no suco de morango.
´
É tudo drama! É tudo culpa de maio!

E , ao que parece, não sou a única, né, Borboleta!

" I ' ve got a sweeter song"

Faz a dancinha aê:


domingo, 1 de maio de 2011

Leitores silenciosos e os cinco minutos guardados

Hoje  recebi um e-mail que dizia, entre outras coisas, o seguinte:

" Eu vi no seu blog que vc veio pra São Paulo. Se tivesse me falado a gente se encontrava."

De algum modo, as postagens do Fina Flor vão parar no Buzz e, consequentemente, na caixa de entrada de alguns contatos do meu Gmail. Não tenho a menor ideia de como isso acontece, mas não reclamo, não. Afinal, o Buzz permitiu que o Papai Noel lesse a cartinha em que eu pedi os livros da Inês Pedrosa de presente.

Mas, no entanto, todavia, porém, fico morta de curiosidade quando alguém que nunca imaginei que soubesse da existência desse blog aparece e ainda diz que Fina Flor  é um nome que combina comigo. Oun!

Eu faço as contas e  chego à conclusão de que  umas quinze pessoas regularmente aparecem por aqui. Daí um fã dos Titãs surge pra alterar os meus cálculos. Que bom! Tenho 16 leitores! =p

Em homenagem a esse meu leitor silencioso, vou até postar essa daqui ó:




Será que existem mais leitores silenciosos por aqui?

" Às vezes ando só , trocando passos com a solidão"

" (...)Tudo errou, e havia a grande poeira das ruas, e quanto mais erravam, mais com aspereza queriam, sem um sorriso. Tudo só porque tinham prestado atenção, só porque não estavam bastante distraídos. Só porque, de súbito exigentes e duros, quiseram ter o que já tinham. Tudo porque quiseram dar um nome; porque quiseram ser, eles que eram.
Foram então aprender que, não se estando distraído, o telefone não toca, e é preciso sair de casa para que a carta chegue, e quando o telefone finalmente toca, o deserto da espera já cortou os fios.
Tudo, tudo por não estarem mais distraídos."



Da Clarice, minha blogueira favorita.






Só faltou dizer como faz, Clarice.  


Porque, se me distraio, só caem bombas no meu telhado de vidro; o telefone até toca, mas é trote.