quarta-feira, 18 de maio de 2011

maio, 18

Devo estar num universo paralelo:

aluno chato pediu mais exercício, aluna escandalosa mas legal pediu um poema,  aluna não sossega enquanto não entende o valor semântico de " apesar de ", alunos  não " fugiram" apesar dos meus 20 min de atraso, aluno perguntou se vai ter filme nesse semestre, aluno comentou o filme que passei em outubro do ano passado, aluna diz comprou o filme que eu passei em outubro, alunos sentam em grupo com o objetivo de descobrir os melhores adjetivos que substituem as orações adjetivas apresentadas.

Na outra turma,

aluno muito chato lê interessado um texto que fala da proliferação dos ratos no início do século XIX, alunos agitados se descobrem criando um roteiro aterrorizante sobre a revolta dos ratos contra os humanos, aluna que nunca fala solta uma gargalhada gigante,  a outra aluna que nunca fala tece teorias a respeito da diferença de temperamento entre cariocas e catarinenses, os testes renderam boas notas e todo mundo soube justificar os erros cometidos.

( ah, e eu calculei as notas direitinho! Nenhuma alteração precisou ser feita.)

***


- Ah, mas eu faço, eu pego, eu compro, eu acho, eu acerto, eu descubro, eu arranjo, eu me viro, eu tento, eu aperto, eu puxo, eu arranco, eu subo, eu entrego, eu vou, eu estico, eu calculo, eu embarco, eu decido, eu controlo, eu cuido.

- Pois é, você cuida de tudo; e o que sobra pra você?

Não foram exatamente essas palavras, mas ficou a dica.

3 comentários:

Borboletas nos Olhos disse...

Porque você é uma professora supimpa \o/

(podia ter usado uma palavras mais nova que eu, mas acho esta supimpa tãaaooo fofa...

Peterson Quadros disse...

Juliana,
Quando leio um post assim, apesar de tudo que eu passei, me bate uma saudade dos tempos de sala de aula. Inclusive as reclamações de não ter tempo para mim. Acho que foi o contexto dos meus vinte anos. Bom, mas o legal foi que o seu texto suscitou um monte de coisas em mim e eu preciso agradecê-la.
Sobre o “dançando e cantando com a boca aberta” tentei imaginá-la no contexto e se tornou engraçado sim. Abraços...

del disse...

Na verdade a classe se comportou como uma classe de alunos deve se comportar, né. É ruim a gente estranhar o que deveria ser normal.