domingo, 17 de julho de 2011

Eu também quero falar do Harry


Atenção: este é um post bobo  -  cheio de spoilers -  sobre  o último filme do Harry Potter, ao qual ainda não assiti. Não me julgue, não me recrimine, porque nunca se sabe que tipo de superpoder eu posso esconder. =p 



O último filme do Harry está nos cinemas, né? Ainda não fui vê-lo porque tenho amor pelos meus tímpanos. O  que os tímpanos têm a ver com Harry Potter? Experimente aparecer num cinema cheio de adolescentes que gritam toda vez que Daniel Radcliffe surge na tela. Considerando que o rapaz  interpreta o mocinho do filme, grandes são as chances de você precisar de um otorrinolaringologista depois da sessão. Vai por mim.

Ainda não assisti ao filme, mas minha mãe, que esteve na estreia, já me contou quase tudo. Não digo que minha mãe contou tudinho porque ela não costuma ser uma boa  "resumidora" de filmes, especialmente porque  é dotada da incrível capacidade  de não saber distinguir  os personagens e  as situações. Pra  se ter uma ideia, minha genitora chama o Voldemort de Dumbledore. Deu pra sacar? Então, minha mãe chegou do cinema, e eu  fui logo perguntando: " E o Lupin? Mostram o Lupin?"  Daí minha mãe tentou lembrar quem era o Lupin ( Não, o padrinho do Harry é Sirius!) e respondeu: "Ó, nem se empolga porque a morte dele nem é emocionante no filme." COMO ASSIM NÃO É EMOCIONANTE?

Quando o último livro foi lançado, eu o devorei em uns 3 dias. Olha, nem é o melhor livro da série. É tudo meio corrido, aquele epílogo é tão babaca, tem uns furos meio imperdoáveis, mas era o último, eu tinha que devorar, eu tinha que saber quem morria. Porque uma das coisas legais de HP é que personagens amados  e queridos morrem. Sirius , Dumbledore, Tonks,  Fred, Moody vão todos, impiedosamente, para o saco. Meu medo maior era o de que o  meu favorito, o Ron, morresse, porque, né, nem Harry nem Hermione nem eu sobreviveríamos à morte do Ron. Bem, Ron não morre e ainda aparece em momentos que me fizeram ter uma desidratação de tanto chorar. Ron - não aquele  palhaço careteiro que aparece nos seis primeiros filmes - exibe em As Relíquias da Morte( no livro e naquele filme lindo que estreou ano passado. Gostei tanto do sétimo filme.) tudo o que tem de melhor e pior, tudo aquilo que me faz gostar  mais ( só um pouquiiiiiinho mais) dele do que de Harry e Hermione. Ele é ciumento, inseguro, complexado, impaciente, um tanto impiedoso, rabugento, mas a gente ama - e eu muito me identifico.

Então, respirei aliviada porque Ron não morre, mas o alívio durou pouco, porque a  carnificina que toma conta do livro acaba levando o meu outro favorito, o Lupin.   Lupin aparece no terceiro livro quando vai dar aulas em Hogwarts. Ele é um professor incrível, dá aquelas aulas úteis e instigantes , é decente  e correto e salva a pele de Harry muitas vezes. Apesar de tanto bom mocismo, o pobre tem que conviver com os preconceitos e as adversidades enfrentadas por  um lobisomem - uma figura temida e rechaçada pelos bruxos. Lupin é um sofredor - e por isso mesmo um guerreiro. Ah,eu adoro o Lupin e entendo perfeitamente porque a Tonks (outra morte inaceitável) se apaixona por ele. Se eu tivesse que me casar com alguém que frequentou Hogwarts, eu escolheria o Lupin. Portanto,  não me conformo com a morte dele e me conformo menos ainda com a pouca importância que ela tem ( segundo minha mãe) no cinema. Como é que eu vou assistir a essa segunda parte de A Relíquia das Mortes se não puder chorar o mesmo tanto que chorei quando Harry, no livro,  vê o corpo de Lupin no chão de Hogwarts? Pra mim, tinha que ser a cena mais importante de todo filme. Que confronto final entre Voldermort e Harry ,que nada! Impactante, triste, de partir meu coraçãozinho foi a morte do Lupin.

Agora, só me resta ir ao cinema pra ver se conseguiram retratar toda a lindeza da história de amor de Snape 
( porque  é de Snape o amor mais lindo de todos.) e conhecer o dragão  que mora no Gringotes.


P.S.: Se alguém disser aí que eu tô velha demais pra feitiços e corujas, devo dizer em 1997, ano de lançamento de A Pedra Filosofal, eu tinha 13 anos, logo pertencia ao público- alvo do livro. Que fique bem claro! =p

P.S.: Aposto que o Alan Rickman  colocou esse filme no bolso.

Um comentário:

disse...

Bom, eu só li o primeiro livro. Mas vi todos os filmes (menos essa segunda parte que ainda vou ver). Mas eu gosto muito do HP. Acho que algumas lágrimas rolaram. E sim! Ainda vou ler os outros livros, mesmo assim. rs