sábado, 22 de outubro de 2011

Minha Clarice

Gosto ainda mais dela quando apoio suas páginas  no meu travesseiro e ouço a voz que inventei pra ela dizendo:

" Mas nem sempre é necessário tornar-se forte. Temos que respeitar a nossa fraqueza. Então, são lágrimas suaves, de uma tristeza legítima à qual temos direito. Elas correm devagar e quando passam pelos lábios sente-se aquele gosto salgado, límpido, produto de nossa dor mais profunda." ( Quando chorar em A Descoberta do Mundo)

Todo mundo diz isso, mas eu só ouço a minha Clarice tão querida.

Um comentário:

Lia disse...

Respeitar a fraqueza... tenho aprendido muito sobre isso!!!

massss dói....
Gostaria de alguns momentos de ficar triste sem ter que explicar nada pra ninguem!