quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Cinema em casa


Uma das coisas de que mais me ressinto é não ter muita sensibilidade pra filmes. Não sou boa em sacar as metáforas sugeridas pelas imagens, não sei quando um ator é fabuloso e morro de preguiça de ficar sentada tanto tempo. Nessas férias, no entanto, decidi que deixaria de ser essa pessoa que só conhece filmes porque gosta de ler sobre eles. Adoro sites de crítica de cinema, desde o blog do Rubens Ewald ( apesar de achar que ele  escreve supermal) até sites com críticas mais "enigmáticas" como o Cinética. Gosto de perceber os mecanismos de análise desses sites.

Nessa semana, assisti a três filmes bem diferentes mas que despertaram em mim o mesmo sentimento: a necessidade vital de apertar o botãozinho FF ( aquele que avança o filme) do controle. O primeiro deles é um clássico ao qual eu já tinha assitido, mas que decidi rever com mais boa vontade. Eu tinha gostado de A Malvada da primeira vez; gostei ainda mais agora. Tem como não amar aquela sonsa da Eve sacaneando todo mundo sem perder o ar de moça do campo? Tem como não amar Bete Davis fumando freneticamente e assumindo seu lugar como o centro do universo? Agora entendo aquelas atrizes da Globo que dizem que esse filme serve de inspiração para suas vilãs. Fico com vontade ir lá jogar um copo d´água na cara daquela Eve.

A sonsa

A diva
A Malvada é mais que legal, é maneiraço, no entanto esbarrei na barreira da estética da época. O filme é de 1950, logo há longas e longas cenas de diálogo, o ritmo é leeeeento. Para o meu próprio bem, tive de avançar um pouquinho aqui e acolá. Julguem-me, mandem-me pra fogueira que eu vou feliz.

No dia seguinte, resolvi assistir à continuação do Titanic. Juro que já vi um camelô anunciar assim o dvd pirata de Foi Apenas um Sonho. Ganhei esse filme de presente de aniversário, em junho, e até semana passada ele estava lá  na estante. Eu gosto da Kate Winslet ; ela tem cara de quem nasceu pra ser estrela de cinema, parece aquelas divas antigas. Quanto ao Di Caprio, ainda não consigo desvinculá-lo de Titanic. Ele será sempre o Jack, por quem derramei fervorosas lágrimas no cinema. Eu tive um fichário com Di Caprio na capa,gente! É difícil esquecer um amor assim.

Lindos!

Os protagonistas do filme são personagens com os quais a gente se identifica.  Ambos inconformados com as rotinas de seus dias e os papéis que desempenham na sociedade, ambos incapazes de romper com as causas de seu sofrimento; sempre insatisfeitos e inadequados. O desespero contido da personagem da Kate foi quase insuportável pra mim, bem como a atmosfera modorrenta do filme. Eu sei que o ritmo arrastado tem um propósito, afinal reflete a letargia das personagens e tal, mas eu dei uma adiantada em algumas partes sem piedade. Esse filme é baseado em um livro, daí eu passei o tempo todo achando que curtiria bem mais o livro. Será? O livro tá na lista das minhas próximas aquisições. Alguém já leu?

Por fim, ontem, eu vi um filme  que eu não sei se gostei ou não. Fiquei em dúvida se aquilo era uma porcaria generalizada ou uma obra-prima acima da minhas compreensão. Já viram O Casamento do meu Ex. Eu me pergunto o que se passa pela cabeça das pessoas que traduzem os títulos de filmes. O título original é The Romantics, e o elenco é encabeçado pela Katie Holmes.
Tadinhas das damas que tiveram de usar esses vestidos. Saca só a cara da Katie.

 A história é assim: duas amigas apaixonadas pelo mesmo cara, uma delas vai casar com ele e convida a amiga pra ser dama de honra. Não parece coisa de comédia romântica? É, mas o filme é um drama - um drama chato. Katie Holmes faz uma personagem que poderia ser a versão adulta da mala da  Joey de Dawson´sCreek. O mocinho é o Josh Duhamel, o marido da Fergie ( essa é a unica coisa que sei sobre o moço. Ah, sim , ele é lindo!). A noiva é Anna Paquim com aquela cara estranhérrima dela. Anna Paquim aparece, e eu fico aguardando ansiosamente o momento em que Hugh Jackman ou James Marsden  vão surgir também. A Anna é sempre estranha, mas tá mais estranha nesse filme, protagonizando momentos que precisam ser transformados naqueles gifs engraçados que rodam pela net. 

O noivo e a noiva


Estão no filme o Elijah Wood ( só eu acho que ele é a cara do Harry Potter?) e Adam Brody, sempre fazendo o Seth Cohen! I love Seth Cohen forever, mas fico nervosa com a aparição de Adam em outros filmes, acho que vai tocar "California here we come/ Califoooooornia".

Essa foto a la Friends é mais legal que o filme inteiro

Em suma: o filme é metido a cult, a câmera fica tremendo, as imagens são lindas mas  tão artificiais que incomodam, os personagens são meio estereopadinhos. Também há um livro que antecede o filme e também acho que ia gostar mais do livro.

Resumo da ópera:  3 filmes. 1 ótimo. 1 muito bom. 1 péssimo. 3 filmes que assisti usando os poderes que o controle remoto me dá.

P.S.: As cenas finais de Foi Apenas e de O Casamento são ótimas.




5 comentários:

Lia disse...

Di Caprio?! Vc sempre me surpreende Ju!!!! rrsrsrs

Os Românticos já vi... achei estranho. =S

Palavras Vagabundas disse...

A Malvada vale qualquer sacrifício!
Para os padrões de hoje é realmente lento, mas é muito bom, os outros eu não conheço.
bjs
Jussara

Daiana disse...

Oi Ju, tudo bem?
Passando pra conhecer seu blog e já te seguindo pra saber das novidades.

Beijinhos
Daiana
http://realizandoumsonhoembh.blogspot.com
Twitter: @rsonhoembh

Cíntia Mara disse...

Não sou boa em sacar as metáforas sugeridas pelas imagens, não sei quando um ator é fabuloso e morro de preguiça de ficar sentada tanto tempo.

Também sou assim, Ju. Decidi que quero ver um filme por semana durante este ano, até agora estou conseguindo. Mas demoro 5 horas numa história 2, porque fico parando o tempo todo.

Continuação de Titanic? HAHAHAHAHA
Eu tinha uma agenda cheia de fotos do "Jack". Vergonha, haha. Depois que passou a febre (de ver e rever Titanic, Diário de um adolescente, Criaturas 3, Romeu & Julieta e O homem da máscara de ferro), nunca assisti mais nada dele, até que no Reveillon o pessoal resolveu assistir A Origem. Filmaço!

Quero ver esse último filme só por causa do Adam que, pra mim, será eternamente o Dave de Gilmore Girls.

Cheshire cat disse...

Ai, eu li uma única crítica do Rubens Ewald Filho e também percebi o quanto ele escreve mal. Socorro!

Quanto a filmes antigos, o filme que eu mais amo no mundo é La Dolce Vita, mas eu concordo que é difícil as vezes. A gente precisa se acostumar. E nem precisa ser um filme tão antigo, outro dia assisti "Alien, o oitavo passageiro" e nossa, como é lento!

Por fim, só o fato de ter a Katie Holmes em um filme já é motivo suficiente para eu não assisti-lo, hehe.