sexta-feira, 13 de abril de 2012

Eu não precisava falar

Eu estava numa fila de espera, ouvindo Jamie Cullum e lendo Precisamos Falar sobre Kevin. Na verdade, o mp3 tava ligado só gastando bateria do celular porque Precisamos Falar  é um livro que exige atenção total, que te puxa pra dentro dele e te faz esfregar a cara naquilo que a Eva conta. Estava eu na fila, na minha, lendo, quando a mulher na minha frente virou do nada e disse: " Ah, esse é aquele livro em que XXXX. Eu já li." JURO! A mulher me contou aquilo que todas as resenhas se preocupam em  não revelar, aquilo que nunca me passou pela cabeça, aquilo que me pareceu um soco no estômago. Quem leu o livro sabe do que eu tô falando. Na hora, me deu uma vontade de xingar a criatura boquirrota, mas acho que o meu olhar de desagrado teve efeito melhor. A mulher deu um sorriso apagado e voltou a tomar conta da própria vida.

E eu fiquei lá chocada! O danado do fim desse livro é qualquer coisa de aterrador. Eu não queria acreditar. Destituída da possibilidade de ser surpreendida pelo texto, fui ler o final. Antigamente, eu sempre lia os finais dos livros antes de começar a leitura. Era mais forte que eu. De uns tempos pra cá, sem perceber, larguei dessa prática. Em nenhum momento ao longo das 200 páginas que li antes da intromissão da vizinha de fila, senti necessidade de ler o final de Precisamos. A gente já começa o livro sabendo que crime Kevin cometeu, a gente já sabe que Eva é um mulher consumida por culpa e por dor. No entanto, o livro é capaz de  te surpreender a cada virada de página. Eu passei o tempo todo me perguntando se eu conseguiria ficar mais chocada e assustada do que estava. Precisei parar a leitura em vários momentos porque meu estômago parecia que ia ficar do avesso. E sim, eu ficaria muito mais chocada porque nenhuma das cartas que Eva escreve ao pai do Kevin consegue ser mais  chocante que a última carta. 

Saber o final de Precisamos Falar sobre Kevin antes de terminar de lê-lo acabou servindo de estímulo para que eu lesse mais rápido, pra que eu devorasse aquelas cartas. Li as 200 primeiras páginas com um entusiasmo meio claudicante. Houve momentos em que fiquei de saco cheio da Eva, do seu tom amargo, do tom autodestrutivo dos seus atos e discurso. Não entendia como ela era capaz de escrever pro pai do Kevin, um sujeito obcecado pelo ideal americano de família feliz, um babaca. Eu não sabia quem me despertava mais raiva: se o Kevin,  a Eva ou o idiota do Franklin. O livro me dava agonia: eu queria ler, mas não queria; achava o texto ótimo, as ficava enfastiada por ele.

Ao ler a  última carta - e ler as páginas que me faltavam pra chegar até ela,-, descobri que minha raiva constante não era direcionada aos personagens , nem à pessoa que escreveu esse livro. Na verdade, eu me vi aterrada pela pavorosa constatação de que a eternidade daquele filho era um fardo aniquilante. Kevin parece personificação dos nossos medos mais profundos: o da rejeição e o da impossibilidade de se colocar um fim no sofrimento.

Um livro que te deixa sem palavras e sem fôlego. Um livro que eu escolho não reler.


P.S.: Mas tô louca pra ver o filme.




12 comentários:

Juliana disse...

isso já me aconteceu no cinema. estava esperando pra assistir 'The cook, the thief, his wife and her love, quando a sessão anterior acabou e saiu uma senhorinha espantada, de boca aberta e mãozinha no coração: 'mas gente, ele teve que COMER A CARNE DO HOMI ASSADO'. né?

eu comprei o livro depois que você comentou aqui. li em menos de uma semana. chorei por ela, por eles, por mim. por esse mundo todo tordo. não vou reler e não quero ver o filme. já tive o bastante.
:**

Cheshire cat disse...

Pois é, por mais que a gente saiba o que vai acontecer, quando realmente acontece a palavra é essa: aterrador.
Olha, eu achei esse filme foda demais. Os atores, a direção, a maneira como a história é construída, é tudo impecável. É de assistir com o coração na boca de um jeito como há muito tempo eu não me sentia no cinema. Vai ficar no topo da minha lista por um bom tempo.

Mas ô tiazinha FDP heim? Isso não se faz!

Andrea disse...

É realmente revoltante quando nos contam spoilers. Às vezes, eu procuro por eles, mas conscientemente. Também encontro uns por aí, mas eu meio que procuro. Alguém contar o final assim é muito foda. u.u'

E eu nem sabia que esse livro tinha um final assim. Me indicaram algumas vezes, mas eu fiquei, "blergh, já sei da história". Agora fiquei curiosa.

Felipe Fagundes disse...

Agora eu realmente fiquei curioso mas não sei se quero ler. Parece assustador :S

Juliana disse...

Ju, que filme é esse? credo! kkkkkk
Quero muito ver o filme porque a atriz escolhida pra ser a Eva é incrível! Além do mais, o filme dura só umas duas horas,então acho que o sofrimento vai ser menor.

cheshire, toda vez que vc fala do filme, fico ainda mais curiosa.

andrea, tb não me importo com spoilers, mas prefiro buscá-los por conta própria. Olha, o livro é bom mesmo. Acredite! Não tem nada de previsível.

Felipe, é assustador mesmo! vale a pena.

Luciana Nepomuceno disse...

eu não ligo pra spoiler. mas acho terrível quando acontece com quem se importa. e o livro é mesmo pancada. né?

Páginas Da Minha Vida disse...

Sem sombras de dúvida, o mais irritante era o Franklin.Porque estava tudo tão na cara dele, que mesmo assim, ele não queria enxergar.Como você disse, era um verdadeiro panaca.

A última carta é mesmo a mais chocante.Mais ainda as últimas frases.Porque vindo da Eva,choca.Tive vontade de chorar quando terminei.

E o filme é ótimo.Só achei mais leve que o livro, mas não deixa de ser bom ;D

bjs

Deise Luz disse...

Ontem passeando na Saraiva vi um CD do Jamie Cullum e lembrei de você, haha.

Ai, que raiva dessa mulher que te contou sobre o final.

Tô com o filme pra ver aqui no computador faz um tempão, mas sempre adio porque já deu pra perceber o quanto a história é pesada.

Rita disse...

Que mulher sem noção, gente. Que raiva. :-/

Escolhi não ler o livro. O filme já foi suficiente.

Bj
Rita

Margareth Gervason disse...

Uma visita rápida
Obrigada por participar do nosso sorteio e BOA SORTE!
Boa semana
Beijos coloridos!

livroseoutrasfelicidades disse...

Eu ainda não tomei coragem para ler o livro, nem ver o fime... Tenho que preparar o estômago antes...
(E que maldita essa senhorinha da fila, hein?)

Michelle disse...

Putz, odeio gente que vem contando o fim do filme/livro! Falta de noção total. Geralmente, saber o final não me faz desistir de ver um filme ou ler um livro, mas acaba com a expectativa, tira um pouco da graça, né? Apesar de saber o que acontece nesse livro/filme em questão, estou louca para ler/assistir.
bjo