segunda-feira, 7 de maio de 2012

" Descanso na loucura"

Depois que  recebi um sms no meio da madrugada perguntando por que apaguei esse post pieguinhas, tive que tirá-lo do limbo dos rascunhos.




Minha amiga que me conhece desde os 14 anos diz que fui uma adolescente difícil. Eu acho graça das impressões que ela guarda de mim porque sempre penso em mim como uma pessoa nula, sabe, inexpressiva, do tipo que não se faz notar. Sempre que digo isso minha amiga ri da minha cara e  diz que é fácil pensar um absurdo desses porque nunca estive do lado de fora, tendo de conviver comigo mesma. Bem, eu não tenho a menor ideia do que ela tá falando! Eu sou um doce, um anjo de candura, todo mundo me ama. Sempre fui assim! ^^

Me lembrei da minha amiga e da pessoa terribilíssima que fui na adolescência porque ontem um amigo retirou do fundo do baú algo que eu vivia repetindo sem parar no passado. Eu dizia que não sentia saudades, que enjoava das pessoas, que eu era adepta do desapego. Meu amigo disse, e eu tive vontade de rir porque inverdades são coisas engraçadas. A Juliana que dizia essas coisas tinha era pavor de pertencer, de precisar, de lidar com a dolorosa fisicalidade da saudade e da ausência. Porque amor é tão bom que a gente tem medo de que a fonte se esgote; amor é tão bom que ... Ah, o amor!

A gente tá aí nesse mundo que louva e industrializa o amor romântico e a paixão. Não sei vocês, mas eu às vezes me esqueço de celebrar o amor que não vem acompanhado de adjetivos, que pode ser chamado de amizade, de carinho, de sei lá o quê. Amor que aquece, que acolhe, que causa um aperto  bom no peito. Sabe quando você ama tanto que só de pensar se encolhe toda e suspira feliz? É tão bom precisar de outra pessoa, é tão bom ficar feliz porque outra pessoa tá bem, é tão bom estar  entre amores/amigos e se deleitar nos poderes maravilhosos que a sintonia e o afeto têm.

***

Ok! Esqueçam toda minha pieguice e fiquem só com o Rosa:

"Só se pode viver perto de outro, e conhecer outra pessoa, sem perigo de ódio, se a gente tem amor. Qualquer amor já é um pouquinho de saúde, um descanso na loucura."





Um comentário:

Lia disse...

Ainda bem que vc salvou!