quarta-feira, 8 de agosto de 2012

Abram alas pro mimimi

Não leio nada há quase um mês. Tô aqui com A Metamorfose, do Kafka, mas não passo da terceira página. 
Tô há duas horas sentada na frente do computador tentando bolar uma atividade pra aula do sexto ano.
O último e-mail que escrevi foi redigido na marra. 
Acabei de mandar um sms monossilábico.
Os amigos perguntam se eu virei eremita.
Minha mãe tá fazendo uma maratona de Arquivo X,  e eu não aguento acompanhá-la nem por dez minutos.
Acordo no meio da noite pra pingar soro no nariz porque essa cidade tá uma secura só.
Tenho novos alunos tão metidos a espertos e chatinhos quanto os antigos alunos eram no início do outro semestre.
Meu notebook morreu, foi ressuscitado, mas começou a agonizar de novo.
Eu apoio greves, entendo greves,já fiz greve, mas essas greves tão ferrando com a minha vida.
Meu cabelo desistiu de voltar a ser daquele castanho escuro que parece preto e faz as pessoas perguntarem que tinta costumo usar. O que se passa com esse cabelo?
Já fui ao shopping duas vezes e volto de lá sem a sapatilha e a sandália que quero. Parece até que calço 65 em vez de 39.
Tá tudo em compasso de espera, e eu tô chata pra caceta.

2 comentários:

Cíntia Ribeiro disse...

Sério que aí tá seco? oO Aqui, ainda não chegamos aos níveis críticos do ano passado (18% de umidade), tô sofrendo menos. Mas só volto a respirar direito lá pelo final de setembro, então, nada de comemorar antes da hora.

Também tenho meus ataques de chatice. Nem eu me aguento =/

Lia disse...

Um abraço apertado, pra aliviar o cansaço!!!