quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Dando uma segunda chance

 Li Orgulho e Preconceito há exatos 13 anos. Lembro muito bem das circunstâncias: eu tinha 15 anos, estudava com uma galera que gostava muito de ler e  trocava muitos livros com meus colegas.  A lista de livros trocados era constituída basicamente de juvenis, paradidáticos, Pedro Bandeira, Coleção Vagalume, Agatha Christie, Jô Soares, essas coisas. No entanto, a mãe de uma amiga insistia em comprar textos mais encorpados e fazia com que a menina lesse. Os livros que minha amiga tinha pra emprestar eram um cadinho diferentes: Inocência , Dom Casmurro, Orgulho e Preconceito. Diante dessas opções, decidi que Orgulho e Preconceito parecia o menos incrivelmente chato. O que eu me lembro dessa leitura? NADA. NADINHA. Só sei que não caí de amores, que pulei muitas páginas e não entendi nada.

Anos mais tarde, com uma bagagem de leitura um pouquinho mais diversificada, fiquei sabendo que aquele livro chatérrimo era importante pra caceta. Jane Austen, aquela mulher cujos ossos já tinham virado adubo, era uma escritora importantérrima, estudada nas universidades, best seller há duzentos anos.  Meu queixo caiu, e eu passei a respeitar essa escritora que publicou numa época  nada favorável à produção intelectual feminina e que permanece campeã de vendas dois séculos depois de sua morte. E mais:  os livros de Jane são lidos, devorados e amados por pessoas que consomem aquilo que a Academia não louva . Jane é POP, Jane é DIVA, Jane é PODER, minha gente! Eu não sou burra, eu respeito  gente poderosa assim. 

Faz uns dois anos, comprei Orgulho e Preconceito e decidi revisitá-lo. Eu já não tinha 15 anos, já  tinha lido e AMADO " velharias" como Macbeth e Madame Bovary, já tinha saído da faculdade, porém não rolou.  Devo ser justa e dizer que faz tempo que tenho torcido o nariz pro que foi escrito muito antes de eu nascer.  Não tive paciência com o texto, deixei a leitora que fui aos 15 aos tomar conta de mim. Pois bem, setembro de 2012, estou às voltas com a Ms. Austen novamente.  Decidi deixar Orgulho e Preconceito no cantinho dele e trouxe Emma pra casa hoje. Confesso que fiquei curiosa pra ler Emma depois de saber que As Patricinhas de Beverly Hills foi inspirado nesse livro. Vocês também não iam querer ler o livro depois de uma informação dessas? Quem aqui não faz dancinha da vitória quando Clueless passa na Sessão da Tarde? Quem aqui  ama o Mike da Phoebe só por que ele foi o Josh da Cher?



Já fui alertada pelas amigas no Facebook que Emma não é o suprassumo da Jane. Só a Luciana morre de amores pelo livro. A Monalisa e Aline acham que Orgulho e Preconceito é uma alternativa melhor. A Annie diz que o livro fica mais legal na segunda parte. Eu já sabia que a Cíntia não tinha curtido muito. Fiquem tranquilas, meninas! Tô começando a leitura sem  grandes expectativas. Vamos ver no que vai dar. Eu quero mesmo é dar à Ms. Austen a segunda chance que ela e eu merecemos.

P.S.:  Há um filme de 1996 estrelado pela Gwyneth Paltrow. Gwyneth não ,né! Não, né! Nãoooo. Não entendo nada de cinema, não tenho nada de boa atuação, mas me dou o direito de não ir com a cara dessa sem-sal! Humpf! 

4 comentários:

Felipe Fagundes disse...

Os livros que mais gosto da jane Austen são O&P e Persuasão, e acho os dois muito parecidos. Talvez você se dê bem com "A Abadia de Northanger", que foge um pouco da temática dos romances de Austen e é mais engraçado.

"Jane é poder" Hahahahah

PS: Com 15 anos, acho que eu não passaria nem da primeira página.

Deise Luz disse...

Vou bancar a fã chata de Jane Austen e dizer coisas como "nossa, não acredito que você não gostou!".

hihi, mentira.

Eu amo tanto Jane que nem parece que li apenas dois de seus livros (Orgulho e Preconceito e Razão e Sensibilidade). Emma será meu próximo, logo depois que eu terminar com outra Emma, a Bovary :)

Palavras Vagabundas disse...

Eu sou sempre a favor de dar segundas chances a autores e livros, às vezes dou até terceira e quarta chance, rs
bom fim de semana
bjs

Vanessa Carneiro disse...

O&P fez com que eu me apaixonasse pela Jane. Só li esse dela, mas quero ler os outros, especialmente a abadia de northanger.