segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Descanso dos barcos



Quando avisto os barcos descansando no mar, o vento gelado da tarde entrando pelos buraquinhos do meu casaco, penso que tô na profissão errada. Meu ofício deveria ser o de pescadora. Eu jogaria a rede e seria um grande arrastão. Não haveria salário melhor.

( Mentira! Não como peixe nem frutos do mar, tenho pavor de água fria, sou obcecada pelo protetor solar. Mas sou do mar. Sou dos desenhos rasbicados na areia, sou da espuminha das ondas, sou das estrelas feitas de raio de sol. Sou de girar só pro  vento  brincar com o meu vestido.)

3 comentários:

Inaie disse...

Minha mãe é do mar. Devia ter nascido sereia.
Eu sou de água doce. Não gosto de areia na pele, não gosto de sal nos meus cabelos.

Paulo Francisco de Araujo disse...

Bem... já vivi no mar, agora estou nas montanhas.
Gostei muito do blog.
Sigo.
Um grande abraço

Fernanda disse...

Acho o mar lindo. Dias de sol brilhando nele, dias cinzas de ressacas turbulentas, oc heiro da maresia... mas não sou do mar, não. Não gosto da areia, nem do cheiro salgado que gruda no cabelo, nem da maresia que embaça os óculos. Sou muito mais da montanha, do frio... :)