quinta-feira, 25 de outubro de 2012

Os favoritos

Já tenho uma turma favorita. Eles são tão barulhentos, escandalosos,  irritantes, indelicados quanto os outros, mas têm um não-sei-o-quê  que me faz ter mais vontade de trabalhar nas quartas e quintas. Eles são engraçados e fazem umas coisas engraçadas que me arrancam risadas inoportunas e me surpreendem. A gente não se esquece de como é ser tão jovem, mas fica achando que esses novos jovens são muito diferentes do que fomos. No entanto, prestando atenção, tão lá os mesmos índices, as mesmas necessidades e delícias.

Esses meus alunos, como os outros da mesma idade, detestam quando os chamo de " criancinhas bonitinhas", mas não me deixam esquecer que a caneta que uso pra dar visto nos cadernos tem de ser a cor de rosa. Professora, a caneta amarela é da outra turma! A nossa é a rosa! Vou trazer uma caneta pra senhora. Há entre eles uns meninos bem terríveis, cujos nomes já decorei de tanto que chamo, peço, grito, mas também são desses meninos algumas das  melhores notas, algumas das ideias mais legais. Eu sou bagunceiro, mas não sou burro! Quase todos falam mais alto do que o necessário, mas um silêncio ensurdecedor enche a sala quando coloco qualquer coisa no quadro. Saio da sala cansada de ir de mesa em mesa porque as dúvidas são muitas, as perguntas são muitas e todos querem ser atendidos ao mesmo tempo. Ainda não tenho o dom da ubiquidade, gente!Calma aê! Tá xingando a gente, professora?

E há os amores - e os amores merecem um parágrafo só pra eles. Da minha posição privilegiada lá na frente da sala, vejo os olhares melosos que ninguém mais percebe. Esses adolescentes parecem cínicos tantas vezes, mas são uns românticos também.Dia desses,  parei do lado de um deles, o danado não tinha começado a ler o texto. Chamei, chamei e nada. Fui procurar o alvo do olhar dele: era a menina do cabelo estonteamente bonito sentada mais adiante. Quando me notou, o moço, marrento e metido a aluno difícil, disfarçou a cara de peixe morto, mas eu já tinha visto. Rá! E sorri pra ele, cheia de uma cumplicidade que ele odiou. E esse é só um dos apaixonados da turma.




2 comentários:

Palavras Vagabundas disse...

Ah o amor!
bjs
Jussara

Rita disse...

Você deveria escrever um livro chamado Crônicas da Sala de Aula, com textos assim.

Eu compro.

bj
rita