quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

O perdão

Não sou a pessoa favorita do Vinícius. Ele gosta bem mais da minha mãe, dos outros primos dele, da minha tia que mima bebês. Não sou boa com bebês, não sei diverti-los, falo alto. Vinícius vive se assustando com as minhas risadas repentinas. Mas ele não me odeia. Ele me conhece, sabe que posso ser uma boa aliada quando a mãe dele o coloca no berço, se joga nos meus braços se os braços que o seguram são menos confortáveis que os meus. Deu pra sacar? Uma simpatia que é quase amor.

Mas de uns dias pra cá, Vinícius não queria me ver nem coberta de mucilon. Bastava que eu chegasse perto pro menino chorar. A mãe dele me pedia pra segurá-lo um pouquinho, e o menino esperneava irritadíssimo.  Perdi a conta das vezes que o moleque virou a cara pra mim.  Muita rejeição! Estávamos todos intrigados. Nunca serei a primeira alternativa na hora de trocar fraldas, mas ninguém cogitaria a possibilidade de me tachar de madrinha má. 

Pois bem, decidi chegar no menino e tratá-lo de igual pra igual.  Cheguei pertinho dele e perguntei: " Eu te fiz alguma coisa, chuchu? Se eu fiz, me desculpa! Você me desculpa?" Sério. Perguntei mesmo. Seja porque tava muito bem alimentado no colo da mamãe, seja porque me entendeu e me perdoou, Vinícius me agraciou com um dos seus apertões  em volta do meu pescoço - que gostamos de achar que são abraços - e voltou a alguma das suas tarefas habituais, do tipo esfregar a chupeta no chão, ou coçar o dentinho que tá nascendo, whatever.

Juro que foi assim.


3 comentários:

Inaie disse...

HAHAHA!!! O Vinícius não é nada bobo.
E vc voltou a estar na fila do "eu não esgoelo quando te vejo" HAHA

:-)

Luana disse...

owwwwwwin! Voce tem uma voz tao linda! nao posso imaginar ele se assustando

Cíntia Ribeiro disse...

Owwwwwwwwn *.*