quinta-feira, 7 de março de 2013

I-

Passei tanto tempo trabalhando em ambientes hostis que não sei lidar com pessoas gentis. Sou desconfiada por hábito e reservada por natureza, então me sinto um bicho do mato perto de gente que simplesmente convive - sem dramas, sem neuras. Queria ser mais leve e divertida, mas tô tão acostumada a ser cautelosa que me pego agindo como sempre. O bando de gente desajustada que encontrei nos últimos anos deixou sua marca. 

II-

Já na primeira semana de aula, passei um trabalho que sempre passo: pedi que os alunos escolhessem um livro qualquer com mais de 50 páginas pra ser lido e resenhado. Teve gente que reclamou, teve gente que tentou me passar a perna, mas a maioria anda bem interessada. Ontem, tava vindo embora, quando um menino me abordou. Ele queria saber se podia ler Romeu e Julieta. Claro que pode! Eles não conseguem se acostumar com o " QUALQUER livro que você quiser". Satisfeito com a resposta, o menino acrescentou: " Professora, por sua culpa, tem um monte de gente lendo no horário vago. Tá lá um grupinho lendo. Acredita?" Fui lá ver.

E não  é que estavam mesmo, sentados à sombra de umas plantas, uns seis alunos lendo entretidos os livros que tinham pegado na biblioteca no dia anterior?  Um deles tinha pegado um livro que recomendei  ( Meu pai não mora mais aqui, do Caio Ritter) e veio me dizer que tava rindo à beça  com o Tadeu.  Fiquei animada, fiquei feliz.

III-

Fiquei sabendo da morte do Chorão através de uma aluna. Cheguei na sala, às 7 da manhã, e ela tava lendo notícias no celular. Ela leu a reportagem do G1 pra gente, e muitos dos alunos ficaram arrasados. Não tinha ideia de que Charlie Brown ainda fazia sucesso.

Depois, já no meio da aula, a gente tava discutindo um texto sobre  Machado e precisei explicar o que era maniqueísmo. E foi aí que aula ficou bem legal.  Da velha discussão sobre a fidelidade de Capitu, chegamos a uma deliciosa  conversa sobre os modelos de heroísmo presentes nos filmes e videogames de hoje. Sempre que falo de filme em sala, o pessoal me pede pra passar Velozes e Furiosos. Nunca atendi ao pedido porque não vi nenhum filme da franquia, mas agora fiquei curiosa. Os alunos me convenceram de que vale a pena ser visto e que devo prestar atenção nos mocinhos tortos do filme. Vou ver.

De maniqueísmo em maniqueísmo, a gente acabou nos EUA, no 11 de setembro. E eu contei pra eles que tinha a idade deles em 2001 e que estava no estágio quando soube dos atentados.  Comentei como a internet era diferente naquela época, que seria impossível ler notícias no celular como a menina fez no início da aula. Eles ficaram chocados que eu não tivesse um celular aos 17 anos. E ainda mais chocados que tenho  28 anos. Quer dizer, pessoas com menos de 30 anos viveram num tempo em que celular não era item essencial para sobrevivência. Assustador!


IV-

Nenhum livro tem me empolgado ultimamente. Tô lendo um que foi  indicado por um amigo que me deu de presente alguns dos meus livros favoritos, mas, dessas vez, não tá rolando. Alguém aí já leu Vaclav e Lena? Fica mais legal depois daquele início modorrento?

3 comentários:

Retrato em Branco e Preto disse...

I - Sou muito tímida e me sinto um bicho do mato em qualquer lugar do mundo, mas basta uma gentileza e um sorriso e eu crio coragem.

II - Que bonito! Parabéns pelo seu trabalho! :D

III - Tenho 27 e é engraçado lembrar que a gente não precisava de tanta tecnologia para viver...

IV - Não li. :P

Já faz tempo, mas queria saber se você está melhor e 100% recuperada. :)

Um beijo!

Luciana Matos disse...

Ai meu Deus como eu amo a pessoa que ama o seu trabalho! Espero que a minha pequetita encontre muitas "tias Jus" e "fessôras Jus" pela frente!

beijo querida

Cíntia Ribeiro disse...

I. Já eu, estou tão acostumada a trabalhar com pessoas legais, que estranho e quebro a cara quando tenho que ir pra algum cliente.

II. Que lindo :D

III. Eu já tinha celular em 2001. Aliás, ganhei no meu aniversário de 2001, porque fui estudar "longe" e minha mãe precisava manter contato. Um tijolinho da Nokia.

IV. Nem conheço esse livro :S

V. Não sei contar em algarismos romanos. Por pouco não coloco um IIII ali em cima. [Lembrei de quando eu estava em Curitiba e tinha que pegar o Interbairros IV (ou VI) e peguei o Interbairros VI (ou IV)]