sábado, 13 de abril de 2013

Chegou. Sempre soube que chegaria o dia em que eu não teria mais pudor da impaciência. Chegou esse dia.   Quando me dei conta, estava eu lá sem fazer o menor esforço pra entender, relevar, compartilhar. Porque, ah, gente, paciência é um item de primeira grandeza que só deve ser consumido quando realmente necessário.

Acabou a paciência, sabe. Acabou paciência com gente que  fala mal do cabelo alheio e nem se dá conta de que tá sendo racista. Acabou paciência com gente que precisa ter sempre a razão. Acabou paciência com quem chafurda na autodepreciação. Acabou paciência com aluno que se faz de coitadinho. Acabou paciência com fofoquinha estilo 5ª série B. Acabou paciência com a minha eterna capacidade de pensar com clareza. Acabou paciência. Acabou. Não tem mais. Eu até me esforço, mas a fonte secou.

Daí que diante de tanta impaciência, me disseram que eu sou braba. Nem sou. Sou um doce, sou covarde. Dou um pedaço da alma pra não brigar. Mas chega uma hora em que a gente fica velha demais, né? Cansa, não dá.

5 comentários:

Rute de Almeida disse...

Me falta paciência e me sobra sensibilidade. Não tô sabendo lidar comigo mesma.

Annie Adelinne disse...

Me definiu completamente.

Hoje eu falei com Deus que tô muito chata, que preciso ter mais amor. To até evitando o contato com seres humanos, pq cansei de machucar as pessoas que amo só pq n to numa boa fase, sabe... Mas quero que passe. Quero saber amar mais e melhor.

amanda. disse...

hah, essa é boa: você chega ao seu limite e daí você é a "chata".

sempre digo, eu já tenho problemas demais e minha vida não tem espaço pra gente que não sabe lidar com gente. eu tiro do meu círculo. sem dó, mesmo.
se não tiver como, a velha e amiga "INDIFERENÇA feat. DESPREZO" sempre funciona.

e acho que a única coisa que tem a ver com idade isso tudo, é que com o tempo a gente percebe que não precisa aguentar esse tipo de coisa por medo de magoar, de "pegar mal", que a gente não precisa agradar todo mundo. maturidade é isso mesmo.

Juliana disse...

é isso mesmo que eu tenho percebido, amanda: nenhuma necessidade de agradar.Especialmente gente que não tem grande importância pra mim.
sempre fui meio grossa, meio impaciente mesmo, mas morria de culpa. ultimamente,em certas situações, não sinto nadica de culpa.

Aline Souza disse...

Juliana, estou me sentindo em um momento assim... Me acho bem paciente, mas estou cansada desta coisa de ter que agir cheia de dedos com o povo, enquanto o povo cospe qqr merda... Bjss