quarta-feira, 10 de julho de 2013

Passei todo o dia pensando que eu deveria escrever, que eu precisava escrever, que eu queria escrever. Estive no ônibus, na sala dos professores, no banho, escrevendo mentalmente o post perfeito pra esse momento. Porque hoje é um dia que eu queria registrar; eu não quero esquecer que hoje eu chorei de soluçar na praça de alimentação do shopping. Eu tava triste, mas não queria chorar. Aí tocou uma música e eu desabei. Chorei porque é muito difícil dizer adeus, ir embora, fazer escolhas.

Escolher é uma merda. Porque, ainda que você passe três meses na terapia só falando das suas opções, ainda que você tenha certeza absoluta de que quer aquilo e não isto, ainda que você suponha que não criou vínculo nenhum, é foda. Chega o momento em que nada te prende mais àquilo que você deixou pra trás. Eu já deixei muita coisa pra trás. Já saltei fora, sem piedade, sem pesar, de situações que não me agradavam, que exigiam de mim aquilo que não posso dar. Mas hoje, pela primeira vez, eu me desvinculei de vez de algo que eu amava. Não trabalho mais no lugar mais legal em que trabalhei. Não sou mais professora do grupo de alunos mais legal que já tive. 

Eu escolhi sair. Eu escolhi não estar mais lá. Eu escolhi e não me arrependo. Eu escolhi e sei bem  dos meus motivos. Eu escolhi. 

Mas não queria estar sentindo esse vazio. Por enquanto, não sei o que fazer com esse vazio.

***
Eu tava no shopping almoçando e tocou essa música:
Que sacanagem do acaso comigo! 

Aí eu entrei no facebook meia hora depois e esta citação foi a primeira coisa que apareceu:


Eu não vejo a menor graça no Pequeno Príncipe, mas, gente, abri o facebook e isso apareceu!


3 comentários:

Rita disse...

Um abraço de cá. Permita-se o choro, viu. É parte do pacote. E boa sorte no caminho à frente.

bj
rita

livroseoutrasfelicidades disse...

Ah, Ju... Como disse sua amiga acima, chore o que tem que chorar e depois, bola para frente. Crescer dói, mas aceitar as escolhas permite que passemos por boas mudanças e encontremos algo que faça mais sentido. Boa sorte!

Lisa disse...

Ju, senti o vazio junto com vc. Mas, assim, um dia vc ia ter que se despedir deles, né? A não ser que resolvesse reprovar os meninos pra sempre.

Por Enquanto é covardia, vai!