sábado, 17 de agosto de 2013

Depois de ler

Terminei de ler Cartas perto Coração e sinto como se dois amigos queridos tivessem ido embora pra muito longe. Como é possível que cartas escritas por pessoas que nunca verei, escritas antes mesmo de minha mãe nascer, dizerem tanto pra mim, sobre mim? Poderia passar semanas e semanas lendo todas as cartas que Fernando e Clarice já escreveram. Queria que eles fossem meus amigos e escrevessem pra mim também.Eu nunca li nada do Sabino, nadinha mesmo - e isso deve ser uma falha e tanto na minha formação. Agora quero ler. Depois de conhecer o amigo da Clarice, quero conhecer o escritor. Quero também ler o livros que ele cita. Queria, sobretudo, abraçá-lo  dizer que não saberia dizer. 

Terminei o livro com o coração leve, pensando no quanto amizade é uma coisa bonita. Eu  acho que amizade é daqueles sentimentos pros quais não há definição. Se a gente for pensar direitinho, é bem maluco isso de esbarrar com alguém no mundo, conviver, gostar tanto  e, principalmente,  descobrir que essa pessoa entende o que você sente, sente o que você sente. Clarice e Fernando passaram muitos anos longe um do outro. Moraram em países diferentes, nem sempre mantiveram a correspondência em dia, mas amizade tava ali. Não é extraordinária essa sintonia fina que mantém as pessoas próximas apesar de tempo e do espaço? Eu acho extraordinária. E termino o livro pensando na sorte que tenho de ter algumas Clarices e Fernandos na minha vida. Aos meus amigos, devo a pessoa mais sadia e mais disposta que sou hoje. Meus amigos são a minha família. Amizade sempre me comove.

Termino o livro prometendo que não volto a esconder na estante um livro que André me der. Eu já devia ter aprendido a lição, visto que meus dois livros favoritos foram presente dele. Tenho mais um favorito agora.

André, parafraseando Clarice e você,  também não sei agradecer a amizade.

4 comentários:

Palavras Vagabundas disse...

Ju, vou correndo ler esse livro! Sempre gostei do Fernando Sabino e não conhecia essa amizade com Clarice.
bjs
Jussara

Anália disse...

Oi, Ju! O Sabino tem várias livros de crônicas, meu preferido é A Mulher do Vizinho. Mas ele tem um livro de memórias, que eu li há muitos anos e tb gostei muito. Acho que o nome é O Menino no Espelho. Aliás, falando em memórias (acho que tenho um fraco por livro de memórias...) adoro todos os livros da Zélia Gattai (mulher do Jorge Amado). Fiquei me sentindo parte da vida dela, uma delícia, como quem fez uma amiga!Se vc puder, leia.
Bjs,
Anália

Juliana disse...

análiaaaa! vc reapareceu!

andré disse...

eu já tinha até esquecido que tinha te dado esse livro! mas que bom que livros são atemporais, como as amizades – como a gente. amo você.