quarta-feira, 1 de janeiro de 2014

Há algo sobre mim que é fundamental saber: eu sou mimada. Ora, sou filha única, de pais separados, criada com a avó. O que mais eu poderia ser? Mimada, mimadíssima. De verdade: se não presto atenção, fico esperando que me sirvam, que façam o que eu quero, que o sol nasça do meu umbigo. Dizem que a vida ensina os mimados a serem gente. Bem, eu tenho a sorte de que a vida tenha me poupado dos seus ensinamentos e tenha me dado somente uma mãe ariana que me joga a realidade nas fuças todos os dias. Porque a vida mesmo e a sorte só perpetuam o trabalho da minha vó e me enchem de mimos e dessa sensação de que  tudo é bom demais.


Vejam só: a única decisão que precisei tomar pro réveillon foi saber que não queria ficar em casa. De resto, foi estar pronta na hora que viessem me buscar e tudo certo. Muito mimadamente, sei que Silvana vai encher a mesa de comida boa, que Sueli e Fabrício vão ter uma ideia genial, que ambos guardam lugar pra mim no carro, que  os três saberão exatamente o caminho. Claro que  eles me deixam a par dos planos, mas eu não presto muita atenção, sabe. Só digo que vou - e lógico, não reclamo de nada, só vou. Mentira. Eu reclamo. Reclamo que a Silvana faz pouca comida, que o caminho é meio assustador, que o tempo tá apertado, mas alguma magia forte impede que eles deem na minha cara nessas horas - eu daria na minha cara mimada e reclamona. Mas eu reclamo só por reclamar porque sei que os planos deles foram feitos pra dar certo.

Dessa vez, a ideia genial da Su e do Fabrício deu mais que certo. Depois de jantarmos(involuntariamente) ao som de ilariê e brindarmos com fanta laranja, fomos ao Mirante Dona Marta ver os fogos de Copacabana sob uma nova perspectiva. E eu devo ser a única pessoa que já foi várias vezes ao Cristo e nunca esteve no Mirante. Quando meus amigos falaram do lugar, tive  uma vaga noção de localização por conta da favela Santa Marta, mas sabe quando você vai prum lugar sem saber direito pra onde tá indo? Então. Eu só fui: sem expectativas, com boa vontade, mimadamente levada. Estive algumas vezes na praia de Copacabana no réveillon e continuo achando que aquele céu é das coisas mais bonitas que existem, mas não tenho mais saco pra areia, gente, calor, chuva, caos. Daí que meus amigos me levaram pra começar 2014 vendo os fogos do alto, com direito a ventinho fresco, pouca gente, uma vista absurda. 

E eu que achei que o céu de Copacabana não poderia me surpreender.

Nada como uma mudança de perspetiva pra gente ficar leve, leve, feliz, feliz.






A Lagoa e sua árvore




Quero que 2014 seja - pra mim e pra vocês - como essa minha noite de réveillon: fresca, divertida, com novas perspectivas, surpreendente.


E, claro,cheio de mimos.

Feliz ano novo, meu povo!

2 comentários:

Cíntia Ribeiro disse...

Realmente, que ideia genial. Já estive no mirante, a vista de lá é maravilhosa. Se as fotos já ficaram lindas, imagino como deve ter sido ao vivo.

euretrato disse...

Que vista linda pra começar o ano! Eu sei que a festa no Rio deve ser mesmo incrível, mas confesso que não tenho condições de enfrentar um mar de gente daqueles..

Eu ficaria tão estressada e preocupada que acabaria perdendo a festa.. :P

Feliz ano novo pra você!