quarta-feira, 20 de maio de 2015

Não consigo dormir porque só consigo pensar nas coisas que não posso controlar. Minha garganta arranha de um nervoso requentado. Fico repetindo sem intervalos, sem fôlego, que não, por cima do meu coração ninguém vai passar, não serei obrigada a condescendências que não quero, não é assim o amor. 


Hoje quis muito silêncio, meu quarto, o livro repetido. Comprei sorvete pra ver se os clichês dos filmes funcionam. A minha cabeça dói. Parece que fui mesmo rasgada.Eu sei que passa. Já estive aqui muitas vezes. Mas, enquanto não passa, faço Emma deitar sobre meus pés e me cubro até a cabeça. Embaixo do cobertor é escuro e quente. Abro olhos e fagulhas douradas riscam o espaço. Respiro e o ar interno do meu corpo se junta ao ar envolto pela coberta. Consegui meu silêncio. Tenho pelo de gato tocando meus pés. Minha garganta arde, mas tá chovendo. Barulho de chuva traz uma esperançazinha pro mundo da gente.

3 comentários:

Vanessa Carneiro disse...

Sorvete é clichê por um motivo: ele é a cura pra qualquer mal.

Se nem o sorvete funcionar é porque a situação tá realmente complicada.

Espero que já esteja melhor.

Luciana Nepomuceno disse...

Um abraço, baby. Minha garganta tb anda dando sinais #metaforasuteis

Aline Aimee disse...

gatos e cobertor até a cabeça também são parte da minha terapia.
espero que esteja melhor!
:*