domingo, 5 de março de 2017

Meus sonhos são quase sempre ótimos, mas não os conto aqui porque  imagino que sejam muito, muito reveladores. Conto pra Silvana porque é bom contar logo pra alguém pro medo do sonho ruim passar. Conto, ocasionalmente, pro André porque ele gosta dos enredos cinematográficos que minha cabeça inventa. Conto na análise,  que é o mesmo que contar pra mim.

Sonho muito que as pessoas vivas estão mortas. Sonho que minha vó está viva e preciso me lembrar de que ela morreu. Antes, sonhar com minha vó doía porque eu acordava sem ela. Agora, não dói, eu só preciso mesmo me lembrar da morte pra não me confundir. A minha vó nos sonhos é sempre aquela com quem convivi em 1995, 1992, 1990. Essa vó é robusta, essa vó é o buraco no tronco de árvore onde me encaixo e  descanso.

Nenhum comentário: